‘Não há atraso’, diz Dilma sobre pagamentos de obras do PAC

Ao ‘Estado’, presidente da Associação Paulista de Empresários de Obras Públicas (Apeop), Luciano Amadio, relata reclamações de empreiteiras

Rafael Moraes Moura , O Estado de S. Paulo

24 de agosto de 2014 | 13h28

 BRASÍLIA - A candidata à reeleição Dilma Rousseff disse neste domingo, 24, em coletiva de imprensa concedida no Palácio da Alvorada, que não há atrasos no pagamento de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC).

Conforme informou neste domingo, 24, o jornal O Estado de S.Paulo, o presidente da Associação Paulista de Empresários de Obras Públicas (Apeop), Luciano Amadio, afirma ter recebido, de forma recorrente, reclamações pelo atraso no pagamento de obras do programa. De acordo com Amadio, o problema se agravou a partir de abril e há relatos de atrasos de "120 a 130 dias".

Questionada pelo 'Broadcast Político' sobre o problema, Dilma respondeu: "Meu querido, vocês têm de mostrar e provar que tem atraso de tantos dias. Porque tem hora que as afirmações nossas não chegam ao leitor. Nós afirmamos: não há esse atraso".

"O atraso que existe é o seguinte: até você empenhar, fiscalizar e pagar, tem um período, (pagamento) não é automático. Você não sai pagando. Tem um delay", prosseguiu a candidata. "Essa história dos pagamentos, eu posso afirmar pra vocês, é sempre assim, sempre foi assim, durante todo o período."

Conforme informou a reportagem do Estado, as queixas mais comuns de atraso nos pagamentos dizem respeito a obras de saneamento e habitação, incluindo o programa Minha Casa Minha Vida, considerado uma das plataformas da campanha de reeleição da petista. 

Tudo o que sabemos sobre:
economiaPACDilmaobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.