Não há como o governo colocar dinheiro na Varig, repete Dilma

A ministra da Casa Civil, Dilma Rousseff, voltou a afirmar que hão há como o governo liberar dinheiro para socorrer a Varig. "O governo já socorreu a Varig", disse ela ao fazer um histórico de uma série de ações que o governo fez e lembrar que as dívidas antigas não estão sendo cobradas. Dilma disse que, como a empresa está em processo de recuperação judicial, o governo espera que ela continue pagando seus fornecedores. Lembrou que o déficit da Varig está crescendo em R$ 1 bilhão ao ano. Segundo ela, este déficit já está acumulado em R$ 8,5 bilhões. Ela disse ainda que um eventual financiamento pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) estará condicionado à existência de garantias reais. "Não pode significar abrir mais um buraco. Queremos preservar a marca Varig mas isto não significa botar dinheiro para afundar mais o buraco", afirmou. A ministra fez questão de tranqüilizar as pessoas que já adquiriram bilhetes da Varig. "O governo vai assegurar a operação do sistema viário no País no que diz respeito aos passageiros. Segundo ela, há uma preocupação para que não haja descontinuidade dos trabalhos. Justificou a intervenção no Fundo de Pensão Aerus, dos funcionários da Varig, alegando que os pensionistas corriam riscos. Em relação à decisão da Agência Nacional de Aviação (Anac), ela explicou que o que a agência fez ontem foi dar um prazo para que a Varig e a Volo do Brasil apresentem dados concretos e explicitem o que está sendo negociado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.