Não há data para aumento de combustíveis, diz Graça Foster

Presidente da Petrobrás não descartou, contudo, a possibilidade de um reajuste em 2013 

Anne Warth, da Agência Estado,

21 de novembro de 2012 | 17h34

BRASÍLIA - A presidente da Petrobrás, Graça Foster, afirmou nesta quarta-feira, 21, que não há data para o aumento dos preços da gasolina e do diesel. "Não tem data para aumento do combustível", afirmou, após receber homenagem no Congresso. Graça não descartou, porém, a possibilidade de uma elevação em 2013. "Não está descartado aumento de combustível, definitivamente não. Não temos uma confirmação exata (de data). Não tem previsão de quanto seria", disse.

A declaração não agradou ao mercado, que quer uma data efetiva para um aumento dos preços. Com isso, as ações da estatal terminaram o dia em queda de 2,78% as ON, e 2,67% as PN.

"Como qualquer outro produto que a Petrobrás produz, 50% do que nós produzimos e do nosso resultado vem dos derivados, mas a Petrobrás tem uma gama de mais de 100 produtos, tem atividades no Brasil e no exterior. É um mix que dá à Petrobrás estabilidade econômica para que a gente continue conduzindo as nossas atividades comerciais", acrescentou.

Graça frisou que a Petrobrás é "muito mais que gasolina e diesel". "Nós estamos numa situação de caixa bastante adequada e saudável", disse. Segundo ela, a companhia mantém seu programa de investimentos. "Evidentemente, a depender do comportamento do brent e do câmbio, tivemos mais uma depreciação do real nos últimos dias, com o câmbio a R$ 2,08, mas o fato é que essa combinação entre câmbio e brent é que define nossa capacidade de investimentos", afirmou.

"Não tem efeito nenhum no caixa da companhia", afirmou. "A depender do comportamento do brent e do câmbio, a necessidade se torna mais premente. Mas hoje a fotografia do caixa e dos investimentos está absolutamente harmonizada."

Graça destacou que o aumento dos preços dos combustíveis é uma decisão que cabe à Petrobrás. "Se o brent continua nos patamares que está ou mais elevados, se houver uma depreciação do real maior que a que temos hoje, nós teremos uma necessidade mais premente de elevação de combustível", afirmou.

"Mas o que estou deixando absolutamente claro é que hoje há uma perfeita harmonia entre o caixa da Petrobrás, saudável, e sua capacidade de investimentos", disse, ressaltando que o ano de 2012 foi o maior em termos de investimentos da companhia. Ela disse ainda que a Petrobrás deve conseguir recuperar sua produção para o patamar médio de dois milhões de barris já a partir de dezembro. "Isso significa para nós um reforço bastante grande de caixa para a nossa companhia."

Tudo o que sabemos sobre:
PetrobrasGraçacombustíveis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.