Gustavo Sales/Agência Câmara
Gustavo Sales/Agência Câmara

Não há espaço para debater uma nova CPMF, diz Rodrigo Maia nas redes sociais

Presidente da Câmara disse que carga tributária do País é 'alta demais' e que a 'sociedade não admite novos impostos'

Augusto Decker, O Estado de S.Paulo

16 de julho de 2020 | 22h32

O presidente da Câmara, Rodrigo Maia, afirmou há pouco ser contra a recriação de um tributo semelhante à CPMF no âmbito da reforma tributária. Embora seja assim tratada por parlamentares, o ministro da Economia, Paulo Guedes, evita relacionar a ideia de um imposto sobre transações financeiras ao antigo "imposto do cheque".

"Não há espaço para debater uma nova CPMF. Nossa carga tributária é alta demais, e a sociedade não admite novos impostos", escreveu Maia no Twitter, em uma série de publicações sobre a discussão de reforma tributária na comissão especial da Câmara, que foi retomada nesta quinta-feira, 16. "Queremos aprovar uma reforma em parceria com o Senado e com a participação do governo federal", afirmou o presidente da Casa, na mesma sequência.

Mais cedo, ao ser entrevistado ao vivo durante a Expert XP, o ministro da Economia, Paulo Guedes, quis evitar as comparações da taxa com a CPMF: "Se disserem que não querem a CPMF, estaremos de acordo, pois não é a CPMF. Não é o mesmo imposto com outro nome, é uma base mais ampla". Guedes deve entregar a primeira fase da proposta de reforma ao Congresso na próxima terça-feira, 21, conforme adiantado pelo Estadão/Broadcast.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.