"Não há espaço para improvisação no BC", diz Meirelles

Em solenidade de transmissão de cargo do novo diretor de política monetária, Rodrigo Azevedo, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, aproveitou para fazer uma ampla defesa da atuação da instituição. Na cerimônia, que aconteceu na sala de reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom), Meirelles afirmou que tem certeza que Azevedo está ingressando em uma instituição vitoriosa.Segundo ele, o País está crescendo, as exportações estão tendo uma expansão vigorosa, que vem permitindo um saldo positivo nas contas de transações correntes do balanço de pagamento das contas externas, fato inédito em momento de crescimento. Meirelles disse que não há espaço para improvisação no Banco Central.Ele afirmou ser fundamental contar com cada funcionário na função adequada para o cargo. Ele disse que é "função de banqueiro central" demandar foco no resultado e serenidade "mesmo em meio a tempestade de críticas passionais que de tempos em tempos se abate sobre a instituição". Ele disse que essas críticas não acontecem somente com o banco central brasileiro mas com todos os bancos centrais e enfatizou que o BC não pode se ater à paixão do momento.Meirelles disse que a direção do Banco Central está lá para trabalhar mas ponderou que trabalho e paixão são muitas vezes incompatíveis. Isso porque, segundo Meirelles, trabalho gera resultado e paixão gera desejo. "Infelizmente uma distância grande separa os resultados dos desejos", disse.Meirelles defendeu que o BC precisa ser responsável em construir o futuro. "Em tomar medidas que atendam aos resultados que o País precisa. Talvez, por isso, nós nos preocupamos tanto com resultado e não necessariamente apenas com opiniões. E os resultados do trabalho que estamos desenvolvendo estão aí para a análise da sociedade brasileira", concluiu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.