Não há mais preço de banana
Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Não há mais preço de banana

Em um ano que será marcado por tensões do processo eleitoral, a inflação continua surpreendendo no Brasil

Celso Ming*, O Estado de S.Paulo

23 de fevereiro de 2022 | 20h30

Ficaram para trás os dias em que coisas baratas eram vendidas “a preço de banana”.

Testemunha desses bons tempos, o jornalista Luiz Carlos Secco, leitor da Coluna, se espantou quando viu que pagou R$ 5,69 por três bananas-prata compradas no sacolão de Santo Amaro, o que dá R$ 1,896 por banana. Ele fez as contas e verificou que um casal com três filhos que comesse apenas uma banana por dia cada um, gastaria quase os R$ 300 mensais do Auxílio Brasil proporcionados pelo governo.

Este país já teve a inflação do feijão-preto, a do chuchu e a inflação do boi no pasto. Agora tem, digamos, a inflação da banana-prata, cujos preços subiram 27,15% em menos de dois meses. Parte da explicação dessa esticada, o Seccão, como o chamam os amigos, conhece bem, já que sempre trabalhou com a indústria de veículos. A banana continua a preço de banana só até ser carregada no caminhão que a leva para os centros de consumo. Daí em diante, queima diesel, a dólar.

Nesta quarta-feira, os rastros da inflação mostraram que a disparada dos preços não se limitou à banana-prata. O  Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo-15 (IPCA-15), prévia da inflação de fevereiro, saltou 0,99% (veja o gráfico), bem mais do que o esperado, o que dá o período 15 de janeiro a 15 de fevereiro mais caro desde 2016. Em 12 meses, o medidor de inflação acumula alta de 10,76%.


Desta vez não se pode atribuir a escalada apenas ao aumento global de custos em consequência da pandemia. A alta está cada vez mais espalhada (atingiu cerca de 69% dos itens da cesta de consumo), especialmente nas despesas com educação (avanço de 5,64%) e dos alimentos (mais 1,20%).

Não dá para dizer que a política de juros, que está aí para combater a inflação, não seja eficaz. Ela está contendo os preços, embora menos do que o desejado. Prova de que ela vem funcionando é o que está acontecendo com o dólar, cujas cotações em reais caíram quase 10% apenas neste início do ano, porque mais moeda estrangeira vem entrando no País para aproveitar os juros mais altos por aqui.

As apostas do mercado financeiro devem ser levadas a sério, porque são de gente que põe dinheiro pesado nos contratos futuros de câmbio e de juros. Pois o mercado financeiro ainda aposta firme em que a inflação do ano caia à metade da atual até final de dezembro.

Até lá, muita água deve passar por baixo dessa ponte. Três são as fontes de incerteza que podem agravar a inflação: a alta dos combustíveis, que já está com reajustes atrasados (em pelo menos 9% no caso da gasolina); a disparada das despesas públicas ao longo do período eleitoral; e eventuais turbulências, que podem sobrevir ao longo do próprio processo eleitoral. 

*CELSO MING É COMENTARISTA DE ECONOMIA 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.