Não haverá mudança no cálculo do superávit primário, diz FMI

A diretora do Departamento Fiscal do Fundo Monetário Internacional (FMI), Tereza Ter-Minassian, disse hoje que o governo não fará nenhuma mudança contábil no cálculo do superávit primário - diferença entre a arrecadação do governo e suas despesas, exceto o pagamento de juros - das contas públicas. Sem dar detalhes, a diretora explicou que os estudos que o governo brasileiro vem fazendo com o Fundo para aumentar os investimentos em infra-estrutura não implicam em mudanças na contabilidade. "Não é sobre superávit primário e sim sobre investimento. Não vamos fazer nenhuma mudança contábil", afirmou ele, após uma última reunião de trabalho no Tesouro Nacional. Segundo ela, os estudos visam identificar qual é o "espaço" disponível para se aumentar os investimentos de maneira "responsável fiscalmente". "Ainda temos mais trabalho por fazer", disse ela, informando que os estudos ainda não estão concluídos. As declarações de hoje da diretora do FMI, sinalizando que não haverá mudança contábil, mostram que o governo ainda não deixou claro como fará para aumentar os investimentos. O governo quer fazer a mudança em 2005.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.