Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

'Não li sobre isso. Não tomei conhecimento', diz Bolsonaro sobre o Pix

O novo sistema de pagamentos instantâneos é a aposta do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, para revolucionar o mercado bancário no País

Emilly Behnke , O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2020 | 14h14

BRASÍLIA - O presidente Jair Bolsonaro disse nesta segunda-feira, 5, desconhecer o Pix, o novo sistema de pagamentos e transferências desenvolvido pelo Banco Central. Desde que assumiu a instituição, no início do governo, em 2019, o presidente do BC, Roberto Campos Neto, tem o novo sistema como uma das apostas para revolucionar o mercado bancário. 

Um apoiador do presidente o parabenizou pelo novo sistema, que poderá ser usado como substituto de DOCs e TEDs, será gratuito, instantâneo e estará disponível a qualquer hora, sete dias por semana. A previsão é que a maioria das transações seja aprovada e finalizada em até 10 segundos.

Bolsonaro respondeu que não leu sobre o assunto e que tratou nessa semana sobre carteira de habilitação para pilotos com o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas. O apoiador, então, explica ao presidente o funcionamento do Pix.

"Esse é do Banco Central, usado para pagamentos 24 horas, 7 dias por semana, qualquer hora, não precisa nem de DOC nem de TED", disse.

"Não tomei conhecimento. Vou conversar esta semana com o Roberto Campos", respondeu Bolsonaro. 

Apesar da resposta do presidente, o Pix já foi mencionado por Bolsonaro pelo menos duas vezes em suas redes sociais. Em 24 de fevereiro, ele disse no Twitter que o sistema iria trazer “mais agilidade” e “menos custos ao cidadão”. A fala mais recente foi em 15 de agosto, quando o presidente destacou, justamente, o início dos registros, nesta segunda-feira.

“Registros no PIX podem começar a ser feitos a partir de 5 de outubro. Sistema vai permitir transferências eletrônicas em tempo real a qualquer momento do dia ou da noite, inclusive aos finais de semana e feriados”, escreveu.

Segundo o BC, em três horas e meia, mais de 1 milhão de chaves foram cadastradas para o uso do Pix. Embora muitas instituições financeiras tenham lançado um pré-cadastro, elas terão que confirmar a partir desta segunda com os clientes o efetivo registro das chamadas das chaves.

A chave Pix é a informação que vai identificar um clientes e a conta bancária dele no sistema. Essa chave poderá ser um número de celular, um e-mail, o CPF ou o CNPJ.

A partir de 3 de novembro, começará uma fase de testes do Pix, em que o serviço será disponibilizado para alguns clientes selecionados. Os pagamentos e transferências por meio do novo serviço para todos os clientes cadastrados, em todo o país, só serão possíveis a partir de 16 de novembro.

De acordo com o BC, 677 instituições já foram aprovadas para oferecer o serviço a clientes e iniciar nesta semana o cadastro das chaves./ COLABOROU ELISA CALMON

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.