"Não nos conformarmos com crescimento de 3%", diz Palocci

O ministro da Fazenda, Antonio Palocci, rejeitou nesta sexta-feira a avaliação feita por economistas de que o Brasil não conseguirá crescer mais de 3% ao ano a partir de 2005. "Se tem uma coisa que esse governo não quer e se conformar com limites tradicionais da nossa economia. Não vamos nos conformar com 3% de crescimento" afirmou.Segundo Palocci, o juro real da economia já está no mesmo patamar de 2000, quando o Brasil teve seis trimestres consecutivos de crescimento. Ele disse que o governo não vai se contentar em ter os mesmos juros reais que o Brasil teve nos últimos dez anos. "Não está na nossa conta e que ele vai parar onde parou nos últimos dez anos. Nós queremos mais", afirmou. Ele reconheceu, no entanto, que para isso o governo tem de enfrentar uma série de obstáculos, contrariar interesses e tratar de questões impopulares.O ministro da Fazenda disse que o governo pretende construir no médio e longo prazo reservas internacionais "robustas". Embora ele tenha evitado mencionar um número, ele disse que entende como reservas robustas valores semelhantes ao atual das reservas brutas. No momento, o Brasil tem cerca de US$ 50 bilhões de reservas brutas - US$ 18 bilhões são reservas próprias e US$ 33 bilhões de recursos do FMI.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.