Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Não queremos reestatizar economia com Petro-Sal, diz Lobão

Ministro afirma que riquezas do pré-sal serão geridas pela União e que nova estatal terá estrutura 'enxuta'

Gerusa Marques, da Agência Estado,

06 de outubro de 2009 | 16h07

O ministro de Minas e Energia, Edison Lobão, disse nesta terça-feira, 6, que o governo não pretende reestatizar a economia ao propor a criação da Petro-Sal. Segundo ele, o governo está exercendo o papel fundamental do Estado ao defender os interesses do povo brasileiro.

 

Veja também:

linkProjetos do pré-sal são constitucionais, afirma Gabrielli

linkDilma e Lobão reúnem-se para analisar emendas do pré-sal

linkPetrobrás deverá perfurar pré-sal da Bahia ainda este ano 

 

Lobão lembrou, em sua apresentação durante audiência pública na Câmara dos Deputados, que o Brasil, anos atrás, adotou um modelo de privatização, seguindo uma tendência do mundo inteiro e repetiu que, agora, ao propor o marco regulatório de exploração do pré-sal, não deseja reestatizar a economia. "Não se está reestatizando. Está se apropriando de uma riqueza que é do povo e que haverá de ser gerida basicamente pela União", disse o ministro.

 

Segundo ele, a Petro-Sal não seguirá a linha de uma empresa estatal convencional. "Será uma estatal enxuta, com cerca de 80 técnicos", disse. O ministro esclareceu aos deputados que a Petro-Sal não será gestora do fundo social a ser criado com recursos vindos da exploração do petróleo na camada do pré-sal. Lobão explicou que esse fundo será gerido por um conselho, formado por cidadãos representantes da sociedade. Ele informou ainda que a Petro-Sal trabalhará com recursos mínimos para o pagamento do seu quadro de pessoal.

 

Lobão defendeu mais uma vez o sistema de partilha que, segundo ele, é a melhor solução para o país. De acordo com o ministro, 80% dos países produtores de petróleo adotaram o modelo de partilha. Ele assegurou que o modelo de concessão continuará a vigorar no país para os blocos já licitados. O modelo de partilha, na opinião de Lobão, se adapta melhor às áreas de maior concentração de petróleo como é a do pré-sal brasileiro.

Tudo o que sabemos sobre:
Petro-SalEdison Lobão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.