iStock
iStock

10 milhões ainda não sabem que têm valores a receber no BC; veja como consultar

Estimativa do Banco Central é que cerca de 28 milhões de pessoas físicas e jurídicas tenham 'dinheiro esquecido' em bancos para ser resgatado

Redação, O Estado de S.Paulo

17 de fevereiro de 2022 | 14h47

De acordo com dados divulgados pelo Banco Central, cerca de 10,3 milhões de pessoas - físicas e jurídicas - que possuem “dinheiro esquecido” em contas bancárias ainda não realizaram consulta do saldo por meio do novo serviço da autarquia, o Sistema de Valores a Receber (SVR)

O BC estima que, aproximadamente, 28 milhões de CPFs e CNPJs tenham quantias a serem sacadas. Porém, até as 18h de quarta-feira, 16, apenas 17,7 milhões - PFs e PJs - que possuem algum valor a ser retirado haviam feito a consulta

No total, quase 87 milhões de acessos foram realizados até o período, sendo que 69,2 milhões - entre pessoas (67,78 mi) e empresas (1,44 mi) - não têm recursos a receber. 

Como consultar valores a receber

O serviço foi aberto na segunda-feira, 14, por meio deste link, e funciona exclusivamente para consultar o “dinheiro esquecido”. A página foi aberta pelo BC após uma alta demanda provocar queda do sistema Registrato, no final de janeiro.

Clique aqui para ver o passo a passo para descobrir se têm valores a receber nos bancos.

A divisão de agendamentos se dará de acordo com o ano de nascimento - para pessoas físicas - ou de criação da empresa - para pessoas jurídicas.

- Para datas de nascimento ou criação de empresas antes de 1968, o período de agendamento de consulta e resgate será entre 7 e 11 de março, com repescagem no dia 12

- Para quem nasceu ou criou a empresa entre 1968 e 1983, o intervalo é de 14 a 18 de março, com repescagem no dia 19

- Para pessoas nascidas ou empresas criadas após 1983, o agendamento ficará entre 21 e 25 de março, com repescagem no dia 26

 

Tudo o que sabemos sobre:
Banco Central do Brasil

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.