Não se deve pagar ligação de celular clonado

A clonagem de telefones celulares pós-pagos está provocando uma série de prejuízos e problemas aos usuários e operadoras do setor. Os golpistas conseguem, com o auxílio da tecnologia, copiar ilegalmente os dados do aparelho e transferi-los para um outro telefone celular. Os bandidos conseguem clonar o celular através do número hexadecimal do aparelho, espécie de chassi do celular. Este golpe é realizado, normalmente quando o consumidor leva o celular para conserto.A maioria dos consumidores que possuem telefone celular descobrem que sua linha foi clonada depois de receber a fatura com a cobrança de ligações para destinos não reconhecidos, segundo a assistente de direção do Procon-SP, órgão de defesa do consumidor ligado ao governo estadual, Sônia Cristina Amaro. "Normalmente as quadrilhas que clonam celulares fazem ligações internacionais e interurbanas", destaca.Consumidor não deve assumir prejuízoA assistente de direção do Procon-SP orienta o consumidor que teve a linha clonada a entrar em contato com a operadora imediatamente e solicitar o cancelamento da cobrança. "O consumidor não deve assumir o prejuízo de ligações não reconhecidas no período em que o celular foi clonado", avisa. Ela avisa que a empresa deve dar opção ao consumidor em trocar a linha ou oferecer outra linha enquanto não resolver o problema.O consumidor que tiver prejuízo com o celular clonado terá direito à indenização, alerta a assistente de direção do Procon-SP. "Caso a empresa não resolva o problema, o consumidor pode procurar os órgãos de defesa do consumidor ou mover uma ação na Justiça", aconselha. Vale lembrar que, nas ações cujo valor da causa não ultrapasse 40 salários mínimos (R$ 8 mil), há o benefício do Juizado Especial Cível. Até 20 salários (R$ 4 mil), a presença do advogado fica dispensada. Acima destes valores, o processo é encaminhado à Justiça comum. Telesp possui sistema antifraudeA Telesp Celular explica, através de sua Assessoria de Imprensa, que investiu em um sistema tecnológico antifraude que monitora as ligações através do perfil do cliente. Ou seja, o sistema avisa a operadora quando está sendo realizada uma ligação para uma localidade diferente das ligações de costume do cliente. Quando existe a suspeita de clonagem, a Telesp Celular entra em contato com o cliente através de telefone ou telegrama. A Assessoria de Imprensa da operadora informa que se a clonagem for constatada, a Telesp Celular bloqueia a linha e dá três opções ao cliente: a troca do aparelho com o mesmo número, a troca do número e o mesmo aparelho ou o empréstimo de um aparelho com outro número até conseguir desbloquear o número clonado. A Telesp Celular afirma, através da Assessoria de Imprensa, que o cliente não paga nenhuma ligação que for realizada no período em que o número for copiado por bandidos. Porém, a operadora não comenta de quanto é o prejuízo anual devido à clonagem de aparelhos. A operadora BCP Telecomunicações informou, através de sua Assessoria de Imprensa, que não se pronuncia sobre clonagem de telefones celulares.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.