Beto Barata/Agência Senado
Beto Barata/Agência Senado

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

'Não se discute mais desoneração, veto será derrubado', diz líder do governo

Proposta já devia ter sido votada na última quarta-feira, 30, mas o presidente do Senado adotou uma manobra e cancelou a sessão do Congresso

Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

05 de outubro de 2020 | 19h54

BRASÍLIA - O líder do governo no Congresso, Eduardo Gomes (MDB-TO), admitiu que o veto à desoneração da folha salarial para 2021 será derrubado pelos parlamentares. A derrubada garante o benefício para 17 setores da economia por mais um ano. O impasse, porém, está na articulação do presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), para adiar a votação. 

"Não se discute mais desoneração. Se colocar na pauta, derruba o veto", disse o líder do governo ao Estadão/Broadcast. A proposta estava na pauta na última quarta-feira, 30. Alcolumbre, porém, adotou uma manobra para adiar a votação e cancelar a sessão do Congresso Nacional

O adiamento favorece o governo Jair Bolsonaro, pois deputados e senadores articulam a derrubada desse veto para garantir a desoneração - que acaba em dezembro deste ano - por mais um ano. Enquanto isso, os setores beneficiados pela desoneração apontem dificuldades para concluir a programação financeira do próximo ano. A equipe econômica é a favor do veto. 

Alcolumbre vai se reunir com líderes partidários nesta terça-feira, 6, para definir a data da sessão do Congresso. Uma reunião entre bancadas do Senado, marcada para as 10 horas, deve dar o tom da agenda dos parlamentares para os próximos dias e sinalizar os rumos da votação sobre a desoneração.

Há outras propostas vetadas pelo presidente Jair Bolsonaro que também estão paradas no Congresso. Os vetos ao pacote anticrime, por exemplo, são de dezembro de 2019. Deputados e senadores também articulam uma derrota para o governo no novo marco legal do saneamento básico. O item vetado por Bolsonaro garante a renovação de contratos das empresas estaduais, uma condição colocada pelo Congresso para aprovar o projeto no primeiro semestre.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.