'Não se pode mudar regra com jogo em curso', diz Aníbal sobre royalties

Segundo secretário de Energia de São Paulo, cerca de 70 municípios paulistas serão afetados, caso o projeto de lei seja sancionado

26 de novembro de 2012 | 18h46

Sérgio Torres, da Agência Estado

RIO - O secretário de Energia de São Paulo, José Aníbal, disse na tarde desta segunda-feira, 26, que o governador Geraldo Alckmin não pôde participar da passeata "Veta,Dilma", no Rio, porque está indicando, em São Paulo, o novo chefe da Polícia Civil e o novo comandante da Polícia Militar. "Vim manifestar nossa solidariedade ao Rio de Janeiro e ao Espírito Santo. Não se pode mudar a regra do jogo com o jogo em curso", disse ele, que criticou o comportamento do governo federal em relação ao pré-sal.

Segundo Aníbal, "se fez um tal superdimensionamento sobre os recursos do pré-sal, a curtíssimo prazo, como se fosse para amanhã, que outros municípios e Estados também quiseram participar." O secretário disse que cerca de 70 municípios paulistas serão afetados, caso o projeto de lei seja sancionado. Ele não soube avaliar o total das perdas. "Não fizemos esse cálculo ainda." Nós recebemos R$ 380 milhões para os municípios; o Estado, R$ 100 milhões. Num horizonte de quatro, cinco anos, a perda será muito sentida", declarou.

O vice-governador do Rio, Luiz Fernando Pezão, disse, durante a passeata, que o planejamento do governo é concentrar 250 mil pessoas na manifestação. "Não tenho ainda como dizer se isso foi alcançado ou não", comentou.

Tudo o que sabemos sobre:
royaltiessao pauloenergia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.