Não somos vanguarda, vamos ficando na rabeira
Imagem Celso Ming
Colunista
Celso Ming
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Não somos vanguarda, vamos ficando na rabeira

Falta de uma política eficiente no combate à pandemia aumenta as incertezas no País e dificulta ainda mais uma possível recuperação

Celso Ming, O Estado de S.Paulo

24 de março de 2021 | 20h47

 E o país do futuro vai ficando para trás. Basta conferir o que mostram os indicadores.

No seu pronunciamento pela TV na terça-feira, o presidente Jair Bolsonaro, repentinamente convertido para uma causa que combateu como antiguerrilheiro, destacou que o Brasil é um dos campeões em vacinação. Não é. Continua uma calamidade.

Até agora, proporcionalmente à população, só aplicou 7,16 doses a cada 100 habitantes, segundo dados da plataforma “Our World in Data”, ligada à Universidade de Oxford. Enquanto isso, os Estados Unidos aplicaram 38,34 doses; Israel, 113,22; Chile, 46,92; Peru, 16,11. (Confira a tabela.)

A disponibilidade de vacinas não é a que foi mencionada pelo presidente. Os mortos pela covid-19 passaram dos 300 mil e, conforme avisou a cardiologista que foi cogitada para ocupar o Ministério da Saúde Ludhmila Hajjar, esse número macabro tende a avançar para o meio milhão. Esse é o resultado da política desastrada no combate à pandemia. É uma situação que descamba para “vexame internacional”, para ficar com a expressão do presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira.

Por todo o País, a rede hospitalar está saturada, não há UTIs, os doentes amontoam-se nos corredores, faltam medicamentos e falta oxigênio. Governadores e prefeitos fazem o que podem, mas são hostilizados pelo presidente. Não há coordenação da política sanitária em âmbito nacional.

Mas vamos para a economia. Há três semanas saiu o PIB do Brasil de 2020. Foi quando o B dos Brics, que já foi a sexta economia do mundo (em 2011) deixou de ser a oitava e agora é apenas a décima segunda. De acordo com as projeções da revista The Economist, Estados Unidos e a zona do euro crescerão neste ano em torno de 4,5%; a China, 8,5%; o Chile, 5,7%. O Brasil deverá ficar com 3,2%. Algumas estimativas o colocam no fim deste ano na décima quarta posição em tamanho do PIB.

Em consequência do aumento das incertezas, entre as moedas de países emergentes, o real do Brasil foi a que mais se desvalorizou em 2020: 22,4%, segundo dados da agência de classificação de risco Austin Rating. A lira turca caiu 19,2%; o rand sul-africano, 4,1%; o peso mexicano, 5,1%; o rublo russo, 16,5%. Esse movimento de enfraquecimento do real continuou em 2021: queda de 7,6% até o fechamento do mercado desta quarta-feira.

Nos países industrializados, a inflação anual é inferior a 2,0%. Na China, na Grã-Bretanha, na Suíça e na Itália, as projeções para a inflação deste ano são negativas. No Brasil, apontam agora para alguma coisa acima dos 4,71%. A meta deste ano é 3,75%.

No mesmo dia que o presidente do Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) avisou que antes de 2023, os juros básicos (Fed funds) não devem descolar de sua posição perto do zero, o Banco Central do Brasil anunciou aumento da Selic de 0,75 ponto porcentual, de 2,0% para 2,75% ao ano, e passou o recado de que a alta vai continuar. Juros crescentes aumentarão necessariamente o tamanho da dívida bruta do setor público.

E há o desemprego que está em 13,9%, um número que já não reflete o real porque muita gente, desalentada, não procura mais emprego. Nos Estados Unidos, está em 6,2%; na China, 5,5%; na zona do euro, 8,1%; na Austrália, 5,8%; na Índia, 5,5%.

Nas questões ambientais, o Brasil também perdeu credibilidade. O desmatamento continua, porque a política de proteção à Amazônia e aos ecossistemas brasileiros é outro vexame. Em maio de 2020, o atual ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, defendeu, em reunião do Ministério, que o governo aproveitasse a confusão criada com a pandemia de covid-19 para “ir passando a boiada”. O desmatamento descontrolado é uma das razões mais importantes pelas quais o acordo comercial Mercosul-União Europeia está emperrado. 

Impossível que a percepção de um Brasil que perde dinamismo e que vai ficando nas rabeiras deixe de contaminar corações e mentes, o que dificulta ainda mais uma possível recuperação.

*CELSO MING É COMENTARISTA DE ECONOMIA

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.