''Não tinha razão de ser''

O presidente da Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC), Paulo Safady Simão, elogiou ontem a decisão do governo de acabar com a possibilidade de a Caixa Econômica Federal comprar construtoras. Essa possibilidade constava da Medida Provisória 443, baixada em outubro, mas o texto aprovado pela Câmara dos Deputados, depois de acordo entre oposição e governo, prevê que a Caixa poderá atuar apenas fornecendo capital de giro ou comprando cotas de empreendimentos imobiliários por debêntures de Sociedade Propósito Específico (SPE). Simão disse que a CBIC está trabalhando para manter a mudança na tramitação da MP no Senado. "Estávamos lutando por isso, que não era adequado. Nós insistíamos que não era o momento e não tinha razão de ser (a compra de construtoras)", declarou Simão, que se reuniu ontem com o ministro da Fazenda, Guido Mantega.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.