Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Não tomar gol

Trabalho de Eduardo Guardia será tentar barrar as agendas negativas que crescem exponencialmente em período eleitoral

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

12 Abril 2018 | 04h00

A agenda da nova equipe econômica no final de mandato será não tomar gol. Faltando menos de nove meses para o fim do governo Michel Temer, Eduardo Guardia, o novo ministro da Fazenda, vai jogar mais na zaga do que no ataque, tentando barrar as agendas negativas que crescem exponencialmente em período eleitoral.

O ataque contras as contas publicas vai continuar e será forte. O grande esforço será não deixar avançar a agenda negativa.

A escolha da secretária do Tesouro, Ana Paula Vescovi, é mais uma sinal de que a Fazenda atuará na defensiva para evitar uma piora no ajuste fiscal na reta final do governo. Nesse início, a primeira vitória foi a de reunificar a equipe que estava desgastada com o processo longo de decisão do ex-ministro Henrique Meirelles deixar o cargo, que fragilizou o time. Por ora, todos ficam.

Guardia sinalizou diálogo com o Congresso para acelerar a privatização da Eletrobrás e anunciou o envio ao Congresso da proposta de reforma do PIS/Cofins com a “novidade” de ir junto com reformulação e simplificação do ICMS. Mesmo que não haja uma mudança mais profunda nas regras tributárias e na alíquota interestadual (o grande problema), as duas propostas são vistas pelo agentes econômicos como missão impossível.

Essa foi a percepção à primeira manifestação pública do novo ministro, que logo na largada teve que lidar com o mal-estar provocado pela sua ausência e dos seus secretários na cerimônia de transmissão de cargo de Esteves Colnago no Ministério do Planejamento.

O ocorrido foi justificado como um erro de comunicação de convites e que há sintonia com o Planejamento. Esse alinhamento, porém, ficou desgastado nas ultimas semanas com as negociações da reforma ministerial. Curativos terão que ser feitos. Não foi à toa que o líder do governo no Senado, Romero Jucá (MDB-RR), “padrinho” político, resolveu usar a sua conta no Twitter para tentar mostrar unidade na equipe econômica. Ele postou que Guardia  vai assegurar a continuidade da equipe.

Mais conteúdo sobre:
Eduardo Guardia Ministério da Fazenda

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.