'Não vejo razão para aumentar taxa de juros e spread no País', diz Mantega

Segundo ele, aumentos nos encargos ao consumidor não vieram por causa da medida do BC, que só ocorreu na 4ª

Célia Froufe e Renata Veríssimo, da Agência Estado,

25 de fevereiro de 2010 | 12h46

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta quinta-feira que não vê "razão para aumentar taxas de juros e spreads no País". Segundo ele, o aumento das taxas cobradas ao consumidor de dezembro para janeiro deve ser fruto de um conjunto de variáveis monitoradas pelas instituições financeiras. "Se houve aumento das taxas, não foi por causa da medida do BC, que só ocorreu ontem. Os bancos olham para uma série de variáveis", disse em entrevista coletiva.

 

De acordo com o ministro, a área de consumo está tendo a oferta de crédito necessária nos últimos meses. Na avaliação de Mantega, o crescimento da oferta de crédito observado em 2008 era exagerado e a expansão de 20% ao ano visto nos últimos meses "é muito boa". "Não precisa expandir mais do que isso na minha opinião", afirmou.

 

'Superávit de janeiro mostra que vamos cumprir meta do ano'

 

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, disse nesta quinta-feira que o superávit primário realizado pelo setor público em janeiro (R$ 16,185 bilhões) mostra uma melhoria "muito expressiva" nas contas públicas. "É um excelente resultado, que mostra que vamos fazer o superávit de 3,3% do PIB este ano", disse.

 

Segundo o ministro, o resultado também demonstra que as contas públicas vão muito bem e que há uma recuperação da economia. Mantega destacou que, embora essa recuperação demore a ser sentida no resultado das contas públicas, a arrecadação de receitas já está forte e supera o nível de 2008 e 2009. "Estamos no caminho certo da sustentabilidade fiscal que vem sendo prometida pelo governo", afirmou.

 

Para ele, o resultado de janeiro é muito importante em ano eleitoral, quando as "más línguas gostam de falar que vamos gastar mais". "Eu garanto que vamos fazer o resultado fiscal deste ano. As contas de janeiro mostram que estamos no caminho para fazer este resultado", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.