‘Não vou rasgar contrato, vou cumprir o que foi combinado’, afirma Abilio

Um dia antes de o grupo francês Casino assumir o controle do Pão de Açúcar, Abilio Diniz diz esperar apenas ‘que as coisas acabem logo’

David Friedlander, de O Estado de S.Paulo,

22 de junho de 2012 | 03h05

"Vou cumprir o contrato. Vou mostrar a todas as pessoas que duvidaram de mim - e não foi só o Casino, não, tem gente que me conhece e achou que eu ia rasgar contrato, que eu ia para o Judiciário, estavam apavorados. Vou mostrar a todos quem sou, cumprindo com elegância o que foi combinado."

 

Com esse desabafo feito ontem, véspera da transferência do controle do Pão de Açúcar para a rede francesa Casino, Abilio Diniz procurou afastar os rumores de que nesta sexta-feira poderia tirar alguma carta escondida na manga para não cumprir o acordo assinado em 2005 com o grupo francês.

 

Para o empresário, o momento é difícil. A partir de hoje, o Casino assume o comando no Pão de Açúcar e ele passa a ser acionista minoritário do grupo fundado por seu pai mais de 60 anos atrás. "Mas o que vai acontecer amanhã (nesta sexta-feira) não combina com colocar mágoas para fora, nem lamentar nada. Aprendi isso com meu pai: combinou, cumpre", disse Abilio.

 

Mas e depois de amanhã ou na semana que vem, pode haver alguma surpresa? "Não vou fazer uma coisa no dia 22 e outra no dia 25. Foi um ano duro, muito pesado. Espero que essas coisas acabem logo."

 

As dúvidas são resultado do clima de ressentimento e desconfiança que marcou a relação entre Abilio e Jean-Charles Naouri, presidente do Casino, desde que o brasileiro negociou a fusão do Pão de Açúcar com a operação brasileira do também francês Carrefour, sem consultar Naouri, no ano passado.

 

Naouri encarou a tentativa como uma traição, Abilio respondeu que havia má vontade do sócio francês, e desde então os dois passaram a trocar acusações em público, por meio de assessores e aliados.

 

O empresário sabe que a tentativa de fusão com o Carrefour foi vista por muita gente como uma manobra para refazer o acordo feito lá atrás com o Casino. Aborrecido com essa interpretação, nos últimos tempos ele procurou amigos para dizer que queria apenas fazer um bom negócio, mas não foi entendido pelo sócio francês.

 

Abilio não confirma, mas o Estado apurou que ele foi contar sua história, entre outros, a membros da família Ermírio de Moraes e com os empresários Jorge Paulo Lemann, Marcel Telles e Carlos Alberto Sicupira maiores acionistas da cervejaria AB Inbev e da rede Burger King.

 

Abilio diz que hoje estará presente a todas as assembleias e encontros marcados no ritual de transferência de controle do Pão de Açúcar. A grande dúvida passa a ser, então, o destino de Abilio depois que o Casino assumir o controle da rede.

 

Disso ele não quer falar neste momento. Pessoas próximas ao empresário dizem que, na verdade, ele ainda não decidiu o que fará. O empresário continua como presidente do conselho do Grupo Pão de Açúcar, embora com menos poder do que antes, e pessoas ligadas a ele dizem que vai exercer o papel de "acionista minoritário exigente, que acompanha tudo no detalhe".

 

Ao lado disso, negociadores das duas partes discutem eventuais portas de saída do Pão de Açúcar, caso Abilio queira deixar o negócio. Até agora nada de acordo, só mais ressentimento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.