coluna

Fernanda Camargo: O insustentável custo de investir desconhecendo fatores ambientais

Imagem Fábio Alves
Colunista
Fábio Alves
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Nas mãos de Trump

Se disputa comercial seguir em 2020, recuperação da nossa economia será prejudicada

Fábio Alves*, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2019 | 04h00

A atenção dos investidores ao redor do mundo está inteiramente voltada para uma data: 15 de dezembro, dia em que está prevista para entrar em vigor uma tarifa adicional de 15% sobre a importação de US$ 156 bilhões em produtos chineses pelos Estados Unidos.

Os mercados globais vêm oscilando ao sabor do noticiário acerca da disputa comercial entre EUA e China e a possibilidade de um acordo para evitar novas tarifas e remover as taxas já impostas deve ser o principal gatilho para o desempenho das Bolsas de Valores e moedas, entre outros ativos, no curto prazo.

No dia 11 de outubro, Trump anunciou que americanos e chineses caminhavam para bater o martelo para o que eles chamaram de fase 1 de um acordo comercial, o que incluiria, entre outras coisas, a suspensão do aumento das taxas de importação sobre US$ 250 bilhões de produtos chineses que entraria em vigor ainda em outubro e, como contrapartida, a compra pelos chineses de US$ 40 bilhões a US$ 50 bilhões em produtos agrícolas dos EUA.

Além disso, a fase 1 desse acordo poderia resultar no cancelamento das tarifas previstas para dia 15. A China também colocou como pré-condição para chegar a esse acordo a suspensão da taxa de 15% sobre US$ 125 bilhões de produtos chineses que começou a vigorar a partir de 1.º de setembro.

A fase 1 de um acordo mais amplo entre americanos e chineses deve ter impacto direto relativamente pequeno sobre o comércio e o crescimento global, mas o efeito indireto sobre a confiança de empresários e de investidores será importante para, entre outros fatores, sustentar o investimento de capital na indústria global e também alimentar o apetite a risco, beneficiando países emergentes.

A consultoria inglesa Capital Economics, por exemplo, calculou que do 0,3 ponto porcentual de impacto negativo da guerra comercial sobre o PIB mundial, 0,2 ponto resultou dos efeitos indiretos sobre a confiança.

Ou seja, para a economia brasileira, cujo crescimento está começando a engatar um ritmo mais acelerado, a fase 1 de um acordo comercial entre EUA e China poderia proporcionar um ambiente externo mais favorável para permitir que os fundamentos domésticos – como a queda na taxa Selic, aquecimento nas concessões de crédito e melhor desempenho dos setores de serviço e indústria - sigam impulsionando a atividade econômica.

Se as negociações para esse acordo fracassarem mais uma vez e a fase 1 for adiada para 2020, o humor dos mercados certamente azedará. O sentimento entre investidores e analistas já foi de um maior otimismo quanto ao anúncio da fase 1 do acordo comercial antes do dia 15 deste mês, quando entram em vigor novas tarifas. O índice S&P 500, um dos principais do mercado acionário americano, acumulava uma alta de quase 7% entre a primeira vez que Trump falou da fase 1 de um acordo, em outubro, e o fechamento da sexta-feira passada, quando o otimismo ainda pairava.

Embora os analistas ainda apostem que um acordo da fase 1 será selado, mesmo com um teor mais modesto, a dúvida sobre se um anúncio ocorrerá antes do dia 15 é crescente.

Nesta semana, Trump jogou um balde de água fria nessa expectativa. Primeiro, surpreendeu ao anunciar que iria retomar as taxas sobre a importação de aço e alumínio do Brasil e da Argentina, acusando os dois países de promoverem “maciça” desvalorização das suas moedas. Depois, ameaçou impor tarifas de até 100% sobre US$ 2,4 bilhões em importações de produtos franceses, em retaliação à decisão da França de impor um imposto sobre serviços digitais, prejudicando empresas americanas.

Ontem, Trump retomou sua artilharia, afirmando que não há um prazo para o eventual acordo da fase 1. Sem falar que há o temor de que, após o presidente americano sancionar uma lei em apoio a manifestantes pró-democracia em Hong Kong, os chineses decidam retaliar, contaminando as negociações.

Se um acordo não acontecer até o dia 15 e novas tarifas sobre produtos chineses entrarem em vigor, os mercados globais poderão passar por uma correção mais forte. Se a incerteza sobre a disputa comercial seguir em 2020 com um acordo escapando das mãos, o ambiente externo poderá voltar a ser bastante turbulento e prejudicar a incipiente recuperação da economia brasileira. 

*É COLUNISTA DO BROADCAST

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.