Nasdaq prejudica fundos de Internet

O resultado negativo da Nasdaq - bolsa dos Estados Unidos que negocia papéis do setor de tecnologia e Internet - em 2000 impediu uma valorização expressiva das carteiras dos fundos da Nova Economia, que são formadas por papéis do setor de tecnologia, telecomunicações e Internet. O resultado positivo era esperado pela maioria dos analistas no início do ano. A política monetária dos EUA de elevação das taxas de juros e a divulgação do resultado de empresas abaixo do que era estimado pelos investidores, vêm prejudicando o desempenho da Nasdaq que acumula no ano uma queda de 30,63%, até quarta-feira, dia 13 de dezembro. De acordo com Nicolas Balafas, diretor de renda variável do BNP Asset Management, a queda no preço das ações negociadas na bolsa eletrônica norte-americana revela a mudança das perspectivas de ganhos com ações desse segmento. "Os analistas erraram quando fizeram previsões em relação às possibilidades de lucro dessas empresas. Com isso pagaram muito caro por esses papéis na expectativa de altos rendimentos. Como isso não aconteceu, os analistas revisaram para baixo as projeções de lucro dessas companhias e do preço-alvo dos papéis. O resultado foi uma frustração em relação às perspectivas de rentabilidade e queda no valor das ações", explica Balafas. Cenário adiou lançamento de produtosAlguns bancos nem chegaram a lançar seus fundos. Exemplo disso é o BankBoston que, no início do ano, após ter seu produto aprovado pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM), optou por não oferecê-lo no mercado. "O cenário para as empresas ligadas de Internet está muito conturbado, mas não descartamos a idéia do lançamento, caso o mercado melhore", explica Júlio Ziegelmann, diretor de renda variável da Bank Boston Asset Management. Mesmo as instituições que têm produtos nesse segmento tiveram que adequar as carteiras. Isso porque o mercado de ações no Brasil conta apenas com uma empresa "pura" do setor de Internet. Trata-se da IdeiasNet. No lançamento das ações, o papel abriu cotado a R$ 11,00, chegou a R$ 13,00 e, de acordo com o fechamento de 8 de dezembro, último registro de negócios, estava em R$ 3,29 - baixa de 70,09% em relação ao preço de lançamento e de 74,69% em relação à cotação máxima.Para driblar essa situação, os gestores estão colocando, na carteira desses fundos, papéis de empresas que têm seus negócios alavancados por operações via Internet, como o setor de bancos, que oferece produtos pela rede, e o setor de varejo, que tem seus lucros elevados pelo comércio eletrônico. Veja na matéria seguinte alguns fundos em destaque nesse segmento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.