Natal de 2003 será melhor que o de 2002, diz Piva

O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Horacio Lafer Piva, acredita que o Natal de 2003 será melhor do que o de 2002. O empresário aposta no avanço do gradualismo da política monetária, na maior irrigação do mercado de crédito resultante de uma nova queda no compulsório dos bancos e no avanço das reformas, fundamental para a melhora de percepção de toda a sociedade em relação ao futuro do País.Piva disse que a sociedade brasileira vai provar ao presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, que é responsável, que não há razão para ele se preocupar com a inflação e que há espaço para reduções significativas das taxas de juros. "Ele vai experimentar o doce prazer da redução ainda muito maior dos juros daqui até o fim do ano", ressaltou.Questionado sobre uma possível queda nos preços, Piva afirmou que é cedo para saber como a atividade econômica vai se desenvolver nos próximos meses. "O fato é que não vejo qualquer risco de inflação. Ao contrário. Quando se olha os últimos 24 meses, percebe-se que o vetor é de uma inflação decrescente."Para o empresário, o que falta é consumidor e escala para a indústria, fundamental para reduzir os custos variáveis das empresas. "Tudo depende do que acontecerá nas próximas semanas, quando tivermos uma visão mais clara das reformas tributária e previdenciária, que afetam as decisões de investimentos no País e o humor do consumidor", finalizou. Piva falou hoje aos varejistas em café da manhã organizado pela Associação Paulista de Supermercados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.