finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Natal deste ano será excelente para a economia, diz Meirelles

Segundo o presidente do BC, combinação de crescimento do emprego e da renda impulsionará vendas

FABIO GRANER, Agencia Estado

25 de novembro de 2009 | 14h21

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou nesta quarta-feira, 25, que o Natal deste ano deverá ser excelente para a economia brasileira. Segundo ele, o Natal ocorrerá com uma  combinação de crescimento do emprego e da renda que será positivo neste final de ano. 

 

Segundo ele, as perspectivas para o ano que vem também são muito boas. Ele citou, em entrevista

coletiva, projeções do mercado de que o País vai crescer por volta de 5% em 2010, mas ressaltou que

o BC ainda não tem uma projeção oficial para a atividade econômica no ano que vem.

Meirelles afirmou ainda que o Brasil não enfrentou uma crise bancária clássica, em que ocorre a quebra de um banco e que leva outras instituições financeiras a quebrarem. Segundo ele, o que ocorreu foi uma "severa restrição de liquidez" que afetou especialmente bancos de menor porte, mas que foi enfrentada rapidamente pelo governo.

Segundo ele, o governo agiu rapidamente com medidas para enfrentar a diminuição da liquidez externa e também interna. Essas medidas foram a atuação no mercado de câmbio, com os recursos das reservas internacionais e no mercado futuro, e no mercado interno por meio da liberação de depósitos compulsórios. "As medidas ajudaram a voltar a liquidez e fizeram o sistema se organizar naturalmente", disse Meirelles, destacando que o impacto positivo das ações emergenciais adotadas pelo BC garantiram que o governo pudesse, em seguida, adotar medidas fiscais para estimular a economia.

"A sequência de atuação foi fundamental", ressaltou o presidente do BC, acrescentando que isso só foi possível porque o Brasil nos últimos anos teve uma gestão financeira do Estado adequada e prudencial. "A adoção das medidas corretas só foi possível pela existência de recursos para isso. Outros países não puderam fazer o mesmo", afirmou.

Entre os destaques da política econômica dos últimos anos, Meirelles mencionou a geração do superávit primário do setor público (que ajudou a reduzir a dívida), a acumulação de reservas, o controle da inflação e também a adoção, por parte do Banco Central, de medidas de caráter prudencial para o sistema financeiro. Ele mencionou que o Brasil já implementou cerca de 90% das recomendações do Comitê de Basileia - órgão que define normas prudenciais para o sistema financeiro

Tudo o que sabemos sobre:
BCcriseMeirelles

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.