Natal será mais apertado, prevê Fiemg

O presidente do Conselho de Política Econômica e Industrial da Federação das Indústrias de Minas Gerais (Fiemg), Lincoln Fernandes Gonçalves, informou hoje através da assessoria de imprensa da entidade que havia uma expectativa de elevação da taxa de juros em torno um ou um ponto e meio, em função das oscilações de câmbio. Após a divulgação do Copom hoje de aumento para 21% da taxa Selic, Gonçalves avalia que a decisão foi exagerada. "Esta alta e significa um freio na economia e prenuncia um Natal mais apertado para os brasileiros", frisou. O empresário acredita, entretanto, que em novembro o mercado deverá se acalmar. Entre os fatores que possibilitarão a calmaria, segundo ele, o País já terá passado pelo segundo turno das eleições, já saberá quem é o novo presidente e já terá definido o nosso novo ministro da Fazenda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.