Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Natura espera acelerar crescimento no 2º semestre

Lucro líquido da companhia, de de R$ 188,1 milhões no segundo trimestre, ficou abaixo da média das estimativas  de analistas

Reuters,

21 de julho de 2011 | 12h02

A Natura planeja se ajustar ao cenário de mercado em menor ritmo de crescimento, que levou a empresa de cosméticos a apurar resultado trimestral mais fraco que o esperado, o que deve contribuir para um melhor desempenho no próximo semestre.

A companhia informou na quarta-feira que teve lucro líquido de R$ 188,1 milhões no segundo trimestre, queda de 1,8% contra igual período do ano passado, em meio a um ambiente de competição maior.

O resultado ficou abaixo da média das estimativas de quatro analistas obtidas pela Reuters, que apontava para lucro de R$ 211,5 milhões no período.

A receita líquida de abril a junho foi de R$ 1,39 bilhão de reais, avanço de 8,6% sobre um ano antes. A média das projeções dos analistas era de avanço de 12,1% do faturamento.

"O mercado cresceu menos e (isso) aumentou a competição", disse o vice-presidente financeiro da Natura, Roberto Pedote, em teleconferência com jornalistas nesta quinta-feira.

Citando dados do sindicato que representa o setor de cosméticos, a empresa informou que o mercado alvo da companhia cresceu 9,5% nos quatro primeiros meses de 2011, abaixo dos 13,5% de um ano antes.

"Estamos nos acomodando a uma situação que não era a planejada para o primeiro semestre. Estamos tentando entender qual é o cenário do setor no Brasil", acrescentou.

De acordo com o executivo, a companhia está buscando meios de acelerar o ritmo de crescimento na segunda metade do ano, o que inclui maior investimento em marketing, visando driblar a concorrência, e o relançamento de alguns produtos, como a linha Ekos.

Pedote citou ainda ajustes a serem feitos para alcançar ganhos de produtividade, sem detalhar quais seriam essas medidas. "São revisões de forma mais ampla, para ver onde podemos reduzir despesas, que não estão relacionadas a crescimento", disse, assinalando que "o segundo semestre será mais forte. Estamos mais preparados do que estávamos no primeiro... Teremos plano mais agressivo".

As ações da Natura chegaram a recuar mais de 3% nesta quinta-feira e, às 12h, caíam 2,9%, cotadas a R$ 35,55 reais, enquanto o Ibovespa subia 1,59%.

"Os fracos resultados do segundo trimestre, abaixo das estimativas do mercado, apontam para uma desaceleração estrutural no crescimento da receita, decorrente tanto do cenário de aumento da inflação quanto de um modelo de vendas que vem perdendo força", afirma o Credit Suisse em relatório, ressaltando que as ações da empresa devem seguir pressionadas.

(Por Vivian Pereira)

Tudo o que sabemos sobre:
VAREJONATURAACOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.