Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Natura &Co suspende operações com franqueados e exportações na Rússia

Decisão afeta as operações das marcas The Body Shop e Aesop na Rússia; fábrica local da Avon deixará de fornecer produtos a outros países

Talita Nascimento, O Estado de S.Paulo

09 de março de 2022 | 22h24

A Natura &Co decidiu suspender as operações com franqueados das marcas The Body Shop e da Aesop na Rússia. Além disso, a fábrica russa da Avon, outra marca do grupo, terá suas exportações suspensas. A planta, porém, continuará a fornecer produtos para as revendedoras locais.

“Somos contra qualquer tipo de manifestação bélica como forma de solução de qualquer problema. Nosso apoio e solidariedade para todas as pessoas que estão sendo impactadas por essa agressão que consideramos inaceitável, principalmente contra Direitos Humanos na Ucrânia”, disse Roberto Marques, CEO da Natura &Co ao Estadão/Broadcast.  

Ele afirma que, a exemplo de outras empresas ao redor do mundo que têm suspendido operações no território russo, a companhia decidiu tomar medidas em relação aos negócios que mantém no país do presidente Vladimir Putin.

O executivo afirma que as regiões da Rússia e da Ucrânia são importantes para a marca Avon, mas que para o grupo Natura &Co elas representam menos de 5% das receitas e menos ainda do lucro. 

Questionado sobre o porquê manter a produção e revenda local da Avon em território russo quando os demais negócios serão suspensos, Marques afirma que se trata de uma questão humanitária.

“Não nos beneficiamos financeiramente das vendas locais russas, mas não vamos dar as costas às revendedoras”, afirmou. 

Ele reforça ainda que as exportações da fábrica em questão serão suspensas, o que tem impactos financeiros. A produção que era exportada da Rússia para outros países passará à fábrica da Avon localizada na Polônia

Devido ao cenário de volatilidade e alta de preço de insumos agravado pelo conflito entre Rússia e Ucrânia, a Natura afirma tomar medidas de disciplina financeira. Assim, alguns planos são postergados. Um deles é a listagem da companhia no exterior. 

“Listagem no exterior é caminho estratégico, mas esse não é o momento. Estamos colocando em pausa”, afirma Marques. Ele cita como motivos para a decisão a turbulência e a incerteza do mercado. 

Pressão no horizonte

O presidente da Natura diz que tem aumento a pressão sobre os custos, por causa da alta de preços dos insumos e da inflação, mas que a empresa tem conseguido lidar com a situação. 

“Pressões de aumento de custos, insumos e inflação continuam. No quarto trimestre de 2021, tivemos 500 pontos base (5%) de impacto de margem que vem de pressão de inflação e aumento de custos, mas conseguimos mitigar a maior parte do impacto pelas sinergias com a Avon”, diz o CEO. 

Para frente, ele classifica o cenário como “desafiador e volátil''. “Projetamos impacto de custos mais intenso no primeiro semestre de 2022, não só pela pandemia, mas também em razão do conflito na Ucrânia”, afirma.

Ele diz que a companhia tem, portanto, tomado medidas de disciplina financeira. Ele cita redução de custos, gastos discricionários e uma alocação de investimentos mais seletiva. 

Ainda assim, ele garante que planos como o desenvolvimento das sinergias com a Avon, bem como a implantação do novo modelo comercial da empresa e o crescimento da marca Aesop e seu projeto de entrada na China ao fim de 2022, continuam a estar entre as prioridades da Natura &Co para investir. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.