Negociação com FMI deve ser rápida e tranqüila

O encontro do ministro da Fazenda, Antonio Palocci, com a missão de técnicos do Fundo Monetário Internacional (FMI) nesta terça-feira, às 11h30, marcará oficialmente o início de uma revisão do acordo brasileiro sem muitas emoções. Todas as metas estabelecidas para o primeiro trimestre de 2004 foram cumpridas, com especial destaque para o superávit primário das contas públicas, que totalizou R$ 20,5 bilhões no período, o que representou uma margem de R$ 6 bilhões acima da meta fixada. O negociador oficial do País, o secretário do Tesouro Nacional Joaquim Levy, garantiu ontem à Agência Estado que a revisão deverá ser curta e tranquila. Pelo lado do FMI, o chefe da missão, Phil Gerson, também deu sinais de que os técnicos do organismo esperam uma revisão serena, que levará à mais uma recomendação para aprovação das contas brasileiras pela diretoria do Fundo. A única novidade esperada para os encontros entre técnicos do governo e do FMI será a elaboração de um cronograma de trabalho para a montagem do projeto piloto que tratará da possibilidade de redefinir a forma de cálculo do superávit das contas públicas, dando tratamento diferenciado para os investimentos que tiverem retorno financeiro garantido. Ainda assim, nenhum movimento concreto na direção dessa nova fórmula de cálculo é esperada para esta semana, uma vez que o FMI e o próprio governo brasileiro pretendem escalar um outro grupo de técnicos para analisar com cuidado a proposta defendida pelo Brasil. A segunda revisão do acordo estendido deverá ser concluída ainda esta semana. A missão, após o trabalho, apresentará um relatório à diretoria do Fundo, que decidirá pela aprovação ou não das contas brasileiras. Como as metas foram todas cumpridas, o esperado é mais uma aprovação, o que permitirá ao Brasil sacar cerca de US$ 1,3 bilhão junto ao organismo. A falta de emoção também marcará essa decisão futura, uma vez que o secretário Levy já garantiu que o governo não pretende fazer uso do dinheiro que será liberado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.