Jefferson Rudy/Agência Senado
Jefferson Rudy/Agência Senado

Bolsa

E-Investidor: As 10 ações com maior potencial de queda, na visão do mercado

Negociação de cessão onerosa com Petrobrás pode ser feita sem projeto de lei, diz ministro

De acordo com Bento Lima Albuquerque, da pasta de Minas e Energia, essa possibilidade já vinha sendo estudada pelo governo do ex-presidente Michel Temer

Idiana Tomazelli, Daniel Weterman e Tânia Monteiro, O Estado de S.Paulo

23 de janeiro de 2019 | 18h30

BRASÍLIA – O ministro de Minas e Energia, Bento Lima Albuquerque, sinalizou nesta quarta-feira, 23, que as negociações para a revisão do contrato de cessão onerosa com a Petrobrás poderão ser concluídas sem a necessidade de aprovação do projeto de lei que está em tramitação no Congresso Nacional. Essa possibilidade já vinha sendo estudada pelo governo do ex-presidente Michel Temer, mas agora poderá ser levada adiante pela equipe do presidente Jair Bolsonaro para destravar o megaleilão que pode render R$ 100 bilhões aos cofres da União.

O governo anunciou hoje 35 metas para os primeiros 100 dias, entre elas viabilizar o leilão do excedente da cessão onerosa – que só pode ocorrer após a revisão do contrato –, previsto para o terceiro trimestre de 2019. “Não consideramos a questão do Legislativo (na meta)”, afirmou Albuquerque.

No período de transição de governo, houve grande pressão do presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), para repartir os recursos arrecadados com Estados e municípios. Essa negociação acabou travando o projeto de lei no Congresso Nacional. Embora o ministro da Economia, Paulo Guedes, tenha sinalizado favoravelmente à divisão do dinheiro, a equipe do governo anterior alertou que o repasse estouraria o teto de gastos. Diante disso e do recesso, as negociações do projeto pararam completamente, e o governo anterior passou a cogitar a hipótese de revisão do contrato apenas com o aval do Tribunal de Contas da União (TCU).

Albuquerque lembrou que a cessão onerosa é um contrato firmado entre Petrobrás e União em 2010 e que há um potencial muito maior que os 5 bilhões de barris que a estatal poderá explorar segundo essa negociação. Segundo ele, as condições do Conselho Nacional de Política Energética (CNPE) para aprovar a realização do leilão envolvem a revisão do contrato.

“Estamos tratando da revisão do contrato. Uma das partes é a Petrobrás, outra é a União, representada pelo Ministério da Economia, Tribunal de Contas da União e Advocacia-Geral da União”, afirmou o ministro.

Quando questionado se a negociação poderia ocorrer apenas entre as partes, seguindo uma lógica privada de renegociação de contrato, Albuquerque confirmou. “Estamos estudando isso”, disse. “A questão do processo legislativo é outra”, afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:
Petrobrásleilão

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.