Negociação de gás com Bolívia vai começar dia 18

País informou que não haveria condições de cumprir os contratos de fornecimento com a Argentina e Brasil

Kelly Lima, da Agência Estado, Agencia Estado

08 de janeiro de 2008 | 16h50

O governo boliviano inicia no próximo dia 18 as negociações para a redução da exportação de gás natural para os países vizinhos - Argentina e Brasil. Segundo informou nesta terça-feira, 8, à imprensa local o ministro de Energia boliviano, Carlos Villegas, para o dia 18 está marcada uma primeira reunião para negociação com o governo argentino, representado pelo ministro do Planejamento argentino Julio de Vido.Segundo Villegas, após visitar a Argentina, ele virá ao Brasil com o mesmo propósito. "Vamos chegar a um entendimento em alguma reunião para que os três presidentes, Luiz Inácio Lula da Silva, Cristina Fernández e Evo Morales, se reúnam e possamos superar as eventualidades que surgirão este ano", disse o ministro.Na semana passada, o governo boliviano informou que apesar dos investimentos que seriam aplicados pelas 12 companhias multinacionais que operam no país, de US$ 967 milhões, não haveria condições de a Bolívia cumprir os contratos de fornecimento com a Argentina e Brasil em toda a sua capacidade. Segundo o governo boliviano seriam encontradas medidas equilibradas para atender as necessidades energéticas dos dois países.Villegas disse que a Bolívia continuará produzindo 42 milhões de metros cúbicos diários de gás destinados a satisfazer o mercado de São Paulo (31 milhões) e o consumo interno (5,5 a 6 milhões), e "o que sobrar será enviado para a Argentina", cujas necessidades situam-se em torno de sete milhões de metros cúbicos diários.

Mais conteúdo sobre:
BolíviaGás

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.