Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Negociação entre Brasil e Argentina não avança no 1º dia

As negociações entre Brasil e Argentina em busca de uma solução para o conflito comercial estão travadas. A reunião técnica que seria realizada ainda hoje, em Buenos Aires, após a primeira reunião privada entre os secretários executivos dos ministérios de Indústria da Argentina, Eduardo Bianchi, e do Brasil, Alessandro Teixeira, foi cancelada. Segundo a assessoria de imprensa do Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior do Brasil (MDIC), a reunião ampliada foi suspensa porque Teixeira solicitou aos técnicos brasileiros um levantamento completo de todos os produtos nacionais que estão impedidos de entrar na Argentina.

MARINA GUIMARÃES, Agencia Estado

23 de maio de 2011 | 20h47

"O secretário fez esse pedido aos técnicos do MDIC e uma nova reunião privada foi marcada para amanhã (dia 24), às 9h30 (de Brasília)", disse a assessoria do ministério brasileiro. Segundo uma fonte negociadora do Brasil, houve divergências entre os números citados por Teixeira e por Bianchi e, isso impediu que houvesse um avanço.

Por meio da assessoria de imprensa do MDIC, Teixeira disse que os negociadores dos dois lados "se sentaram, se entenderam e expressaram suas posições sobre os conflitos comerciais". O Brasil reclamou que não é possível uma demora de mais de 300 dias para que a Argentina libere produtos brasileiros, como é o caso de alguns têxteis, tampouco que após a concessão de licenças automáticas para alimentos, máquinas e tratores, o sócio apresente novas exigências que impedem a entrada em seu território.

Em nota oficial, o ministério argentino evitou falar de dificuldades, informando que as negociações continuarão amanhã. "Ambos funcionários concordaram em ressaltar a vontade das delegações de solucionar os pontos apresentados na agenda da negociação bilateral", diz a nota. Bianchi explicou que os dois governos apresentaram preocupações e estão "trabalhando em favor de uma solução para cada ponto de tensão surgido na relação comercial".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.