Negociação sobre gás entre Rússia e Ucrânia não tem progresso

Preço exigido pelos russos 'praticamente não existe', segundo Oleg Dubina, presidente da estatal ucraniana

Efe,

10 de janeiro de 2009 | 18h54

Fracassaram as negociações sobre o fornecimento de gás russo para a Ucrânia, suspenso desde o dia primeiro de janeiro, informou neste sábado, 10, o presidente da Naftogaz, Oleg Dubina. "As negociações que durante três dias mantivemos com a Gazprom infelizmente terminaram sem resultado algum. A Ucrânia lhe propõem comprar US$ 450 o metro cúbico do gás, preço que praticamente não existe na Europa", disse Dubina em sua chegada desde Moscou no aeroporto de Kiev. Veja também:Rússia e UE assinam acordo sobre gás; falta UcrâniaGaleria de fotos dos países afetados   O presidente da Naftogaz acrescentou que, na sua opinião, "as negociações deverão continuar em outro nível", em alusão aos chefes de governo ou Estado. Enquanto isto, também chegou a Kiev de Moscou o primeiro-ministro tcheco, Mirek Topolanek, que exerce a presidência rotativa da União Europeia (UE) e realiza negociações para desbloquear o tráfego em direção à Europa do gás russo pelo território da Ucrânia. No aeroporto foi recebido por sua colega ucraniana, Yulia Timoshenko, e a comitiva se dirigiu à sede do Conselho de Ministros. Topolanek se reuniu em Moscou com o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, e como resultado das negociações foi assinado o protocolo que agora espera ser marcado pela Ucrânia. Espera-se que ainda neste sábado Timoshenko assine o protocolo sobre a comissão de controle do trânsito de gás russo pela Ucrânia, que Moscou exige como condição para retomar a fornecimento para a Europa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.