Negociações com Argentina estão "indo bem", diz FMI

O FMI disse que a Argentina está fazendo progressos no desenvolvimento de um plano de recuperação econômica amplo e sustentável, e indicou que será paciente com sistema de câmbio duplo por pelo menos alguns poucos meses. O porta-voz do Fundo, Thomas Dawson, disse que as discussões realizadas esta semana entre o FMI e o governo da Argentina sobre a natureza do plano de recuperação foram produtivas. "Estamos no caminho que tínhamos a esperança de estar, e as coisas estão indo bem", disse.Dawson disse que ainda é "prematuro" para o FMI discutir a natureza e o tamanho do empréstimo que deve fazer para a Argentina. O FMI congelou os financiamentos para Argentina em dezembro, depois que o governo falhou em honrar as metas estabelecidas no programa de crédito. Mais tarde, o governo argentino deixou de pagar o serviço da dívida externa e desvalorizou a moeda.A Argentina possui hoje um câmbio duplo, um fixo para operações de comércio exterior e outro flutuante para as demais transações. O governo dos EUA e o FMI têm exortado o governo argentino a mover-se para o câmbio flutuante, contudo, as autoridades têm dito que levará alguns meses para que isso ocorra.Dawson disse que o FMI entende que o governo da Argentina precisa proceder com cautela. "Não acredito que alguém esteja defendendo uma ação impetuosa", disse. "Embora certamente seja verdade que o Fundo tem uma forte preferência pela unificação da taxa cambial, entendemos que essa necessidade deve ser preparada cuidadosamente".Dawson disse ainda que o Fundo e as autoridades argentinas dividem "o objetivo de unificação da taxa cambial e todas as indicações são de que as autoridades têm isso como uma meta, com unificação, a adoção de um sistema de livre flutuação do câmbio".O FMI e o governo dos EUA disseram que a Argentina deve desenvolver um plano de recuperação econômica "amplo e sustentável" antes que possa contar com um apoio financeiro. Espera-se que o presidente argentino Eduardo Duhalde anuncie o plano no sábado.Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.