Negociações eletrônicas pelo telefone

A corretora Novação e a Caravello DTVM estão apostando que a negociação eletrônica será cada vez maior nas operações de bolsas de valores. "Hoje 85% das negociações na Bovespa são eletrônicas e a tendência é que isso chegue a 100%", diz José Manoel Biagi Amorim, da Novação, corretora presidida pelo presidente da Bovespa, Alfredo Rizkallah. Por conta disso, as duas instituições estão lançando o atendimento telefônico computadorizado com gravações que dão as instruções ao investidor sobre como comprar ou vender apertando as teclas do telefone. As ordens entram imediatamente no sistema megabolsa, da Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa). Apesar de atestarem em material impresso que a tecnologia dispensa o operador para consultas e negociação direta, o diretor da Caravello DTVM, Vicente Caravello, acredita que a prática não tirará emprego de operadores. "A tecnologia do FoneBroker é nova neste negócio, mas não acredito que vá desempregar operadores, acho que vai até empregar mais à medida que trouxer mais investidores para a bolsa", diz Caravello. Ele explica que o uso do telefone desta forma é complementar a outras opções como a Internet, a videoconferência e o sistema wap para celulares. "É bom porque vai permitir ao cliente dar ordens de compra do táxi, ou de sua casa de praia", diz Caravello. "E por um preço mais baixo e com conexão mais rápida que o wap", complementa Amorim.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.