Negócio compensou a perda da Vivo

A entrada da Portugal Telecom (PT) no quadro de acionistas da Oi foi oficializado no fim de julho, em operação que recebeu o aval do presidente Luiz Inácio Lula da Silva. A empresa portuguesa estava prestes a perder sua fatia na Vivo e buscava uma forma de manter a atuação no Brasil.

, O Estado de S.Paulo

30 de outubro de 2010 | 00h00

Como a alta direção da PT não queria sair do mercado brasileiro - visto como um dos potencialmente mais lucrativos para a telefonia -, encontrou-se a solução da entrada da companhia na Oi. Foi uma operação complexa, que incluiu compra de ações e de participação em empresas que pertencem à Andrade Gutierrez e à La Fonte. Com a operação, a companhia portuguesa ficou com mais de 20% das ações da "supertele nacional".

Ao vender a participação na Vivo, a PT embolsou 7,5 bilhões da Telefônica. Enquanto a equação dos dois negócios não era resolvida, primeiro-ministro português José Sócrates chegou a usar seu poder de veto na PT para impedir a venda da participação na Vivo por 7,15 bilhões, lançando mão das "golden shares" (ações com direitos especiais) que o governo detém na companhia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.