Negócios ajustam-se à manutenção da Selic

Os negócios no mercado financeiro começam o dia em movimento de ajuste à manutenção da taxa básica de juros - Selic - em 15,25% ao ano, decidida ontem pelo Comitê de Política Monetária (Copom). A ata da reunião será divulgada na quinta-feira da próxima semana, mas o principal motivo já foi anunciado ontem. Trata-se de uma preocupação com a estabilidade dos índices de inflação. Com o forte aquecimento da economia brasileira, há a expectativa de aumento da demanda. Além disso, o volume de importações tende a aumentar, impulsionadas por uma elevação do consumo interno. Com o dólar em patamar mais elevado, o preço dos produtos que entram no País puxam para cima também o preço dos produtos nacionais, o que provoca ainda mais instabilidade em relação à inflação. No começo da manhã, as taxas de juros dos contratos de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - já apresentam uma alta, sendo negociados a 15,980% ao ano, frente a 15,780% ao ano registrados ontem. Os dólar também está em movimento de ajuste à manutenção da Selic. Na ponta de venda dos negócios, está cotado a R$ 1,9840 - queda de 0,30% em relação aos últimos negócios de ontem. Já a Bolsa de valores de São Paulo (Bovespa) opera em baixa de 0,20%. Veja no link abaixo a opinião de analistas sobre a manutenção da Selic, a orientação para os seus investimentos e a tendência das taxas de juros para o consumidor.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.