finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Negócios com C-Bond em queda de 0,1%

Os negócios no mercado de títulos da dívida externa brasileira são pautados, nesta manhã, pelas expectativas em torno da reunião do Comitê de Mercado Aberto (Fomc) do Federal Reserve, que define, 4ªF, a direção das taxas de juro nos EUA. Segundo os analistas do mercado de títulos da dívida, os papéis latino-americanos tendem a se beneficiar da confirmação de uma queda de 50 pontos-básicos dos Fed Funds norte-americanos, mas a reação não deve ser muito forte, uma vez que os negócios já precificaram essa redução, segundo analistas desse segmento. Para Roberto Campos, diretor de Tesouraria do Banco Santander no Brasil, a queda de 50 pontos-básicos nos EUA ampliará a liquidez naquele país e isso tenderá a beneficiar os papéis da dívida brasileira. "Se sobrar mais dinheiro por lá, mais recursos serão canalizados para o nosso mercado", disse. De acordo com Campos, caso o Comitê de Mercado Aberto surpreenda o mercado e opte por uma redução menos agressiva das taxas de juro, devem ocorrer realizações. "Mas nada muito forte. Estamos em uma fase de consolidação", completou. A corretora López & León também não acredita em uma forte alta dos títulos com a confirmação de redução de 50 pontos-básicos dos Fed Funds, pois os negócios já computaram essa perspectiva. Com pouco volume de negócios nesta manhã, os C-Bonds saíam a 80,375 centavos por dólar para compra e 80,875 centavos por dólar para venda, em queda de 0,1% em relação a sexta-feira, quando fechou em 80,75 centavos por dólar. Os Global 40, por sua vez, subiam 0,3%, para 84,65 centavos por dólar, de 84,34 centavos por dólar na sexta-feira.

Agencia Estado,

29 de janeiro de 2001 | 11h10

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.