Negócios com petróleo estão sem tendência definida

Os preços do petróleo apresentavam baixa moderada nos mercados de Londres, mas revertiam a queda do início do dia no sistema eletrônico de Nova York. Segundo os operadores, as previsões de que o frio deverá ficar mais ameno nos EUA e os rumores de que a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) não deverá voltar a reduzir sua produção nos próximos meses contribuíam para esvaziar o interesse dos investidores em novas compras. O ministro do Petróleo da Arábia Saudita, Ali Naimi, disse, ontem, acreditar que os preços do petróleo estão em níveis razoáveis, enfatizando que não haveria necessidade de novos cortes da oferta. O próximo encontro dos países-membros da Opep está marcado para 16 de março. Nesta manhã, o Ministério do Petróleo dos Emirados Árabes Unidos informou que todas as opções estão abertas, mas também destacou que o atual nível de preço do petróleo está bom para consumidores e produtores. Segundo os operadores, o mercado já computou em seus preços a possível vitória do linha-dura Ariel Sharon nas eleições para primeiro-ministro de Israel. A confirmação da vitória de Sharon é considerada um fator que poderá aumentar as compras de petróleo e, conseqüentemente, os preços da commodity. Isso porque Sharon, candidato da extrema direita nacionalista, poderá gerar mais instabilidades políticas no Oriente Médio, em razão de suas propostas menos tolerantes em relação à causa palestina. Em Londres, os contratos futuros do petróleo Brent com vencimento em março eram negociados a US$ 28,40 o barril, em queda de 0,1% em relação a ontem. No sistema eletrônico da Nymex, os contratos do petróleo cru com o mesmo vencimento tinham leve alta de 0,06%, a US$ 30,58 o barril. As informações são da agência Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.