Negócios também se aprendem no banco da escola

Cursos oferecidos por instituições como FGV e Business School de São Paulo ajudam na montagem de empresas

Naiana Oscar e Roberta Scrivano, O Estado de S.Paulo

25 de janeiro de 2011 | 00h00

Dona de uma escola de banho e tosa de animais de estimação, a empresária Rosana "Sue" Marazaki é um exemplo de que é preciso muito mais que feeling, espírito empreendedor e dinheiro para fazer um negócio vingar. Ela criou a empresa há três anos, sem saber direito o que era um plano de negócios, fluxo de caixa e até que impostos teria de pagar. Abriu a escola mesmo assim. "E quebrei a cara, né?", diz, com bom humor. "Como não tinha noção de todas as despesas, as contas não fechavam."

Parte dos erros cometidos no início, ela conseguiu reverter com conhecimento, na sala de aula. Rosana foi aluna da segunda turma do curso "10.000 mulheres", oferecido gratuitamente pela Fundação Getúlio Vargas e financiado pelo banco Goldman Sachs. Com duração de três meses, o curso tem disciplinas como negócios, marketing, estratégia, finanças e recursos humanos - só para mulheres empresárias.

No fim, os melhores planos de negócio ganham uma consultoria exclusiva e gratuita do banco americano. Sue já esteve nessa lista e teve auxílio de uma analista do Goldman Sachs durante quatro meses na sua empresa - o que a fez mudar de estratégia. Além de dar cursos rápidos para quem quer começar a trabalhar com banho e tosa de animais, ela passou a oferecer cursos de especialização para quem já está no mercado. Também foi atrás de um investidor e fechou parceria com novos fornecedores.

Mais do que oferecer aos empresários uma receita pronta e padrão, esse tipo de curso ensina a planejar - verbo mágico para quem está começando. "O empresário é muito ansioso, acha que alguém vai roubar a ideia dele e já sai comprando máquina, alugando espaço, pulando etapas básicas como o teste do produto e a pesquisa de mercado", diz Tales Andreassi, coordenador do Centro de Empreendedorismo e Novos Negócios da FGV. Ele lembra que, quando o centro começou, há uma década, a FGV era uma das únicas escolas que oferecia curso de empreendedorismo.

Expansão. Hoje, já não é tão difícil encontrar esse tipo de formação. Instituições de ensino superior já oferecem aos alunos disciplinas e cursos voltados para a gestão de negócio. E, aos poucos, também se tornam comuns cursos de especialização para quem já está no mercado. As inscrições para a maioria deles, incluindo o da FGV, terminam no início de fevereiro.

A Business School de São Paulo (BSP) é uma das instituições que iniciarão neste ano um curso de pós-graduação em Empreendedorismo e Novos Negócios. "O aluno sai com dupla certificação Brasil-Espanha", diz Armando Dal Colletto, diretor acadêmico da escola. Segundo ele, o curso é recomendado para quem já tem ou quer iniciar um negócio. "Também é indicado para as pessoas que querem conhecer o tema empreendedorismo como ferramenta para tomada de decisão. Nesse caso, não precisa ser para o negócio próprio, mas para a empresa em que trabalha."

O curso da BSP tem duração de um ano e conta com professores brasileiros e estrangeiros. Além disso, o aluno pode fazer um pequeno intercâmbio de uma semana nos EUA. "Temos casos, em outros cursos, de alunos que entraram desempregados e terminaram as aulas com uma boa posição profissional", diz Dal Colletto. Ele salienta a importância de se investir em educação. "Em outros países é muito comum fazer um empréstimo para pagar os estudos e intercâmbios. Aqui, há medo."

CURSOS DISPONÍVEIS

Master Empreendedorismo e Novos Negócios

Ministrado pela Business School São Paulo (BSP). Com carga horária de 420 horas, o investimento é de R$ 16,8 mil (em 20 vezes). Inscrições até 28 de fevereiro.

Gestão e Crescimento Empresarial de Alto Impacto

Oferecido pelo Instituto Educacional BM&FBOVESPA, tem carga horária de 72 horas e o investimento é de R$ 12 mil. As inscrições vão até 11 de fevereiro.

Estratégia Militar para Gestão de Negócios

Aplicado pela Fundação Armando Alvares Penteado (Faap), tem carga horária de 360 horas e valor de R$ 17,4 mil (pago em até até 24 vezes). Inscrições até 21 de fevereiro.

10 mil mulheres

Oferecido pela Fundação Getúlio Vargas. A carga horária é de 174 horas e o curso é gratuito. As inscrições estão abertas até o dia 7 de fevereiro e somente mulheres empresárias podem participar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.