finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Nelson Barbosa cita dólar 'ideal' de R$ 2,20 a R$ 2,50

O Brasil deve manter o câmbio flutuante e fugir da tentação de forçar a apreciação da moeda para atingir a meta de inflação. A avaliação é do ex-secretário executivo do Ministério da Fazenda, Nelson Barbosa.

MARIANA DURÃO, Agencia Estado

26 de setembro de 2013 | 20h29

Em sua primeira apresentação aberta no País desde que deixou o governo, em junho, o economista indicou que o ideal é que a taxa se mantenha em um patamar entre R$ 2,20 e R$ 2,50.

"O câmbio (ótimo) muda constantemente, é preciso evitar muita depreciação e muita apreciação. Agora, ir para muito abaixo de R$ 2,20 neste momento não é muito recomendável, assim como ficar acima de R$ 2,50 seria muito excessivo comparado ao que aconteceu com outros países", disse Barbosa nesta quinta-feira, 26.

Segundo ele, assim como o governo não deve forçar uma depreciação da moeda, também não deve produzir uma grande apreciação só para cumprir a meta de inflação. "(O governo) deve resistir à tentação de apreciar rápido, para cumprir a meta a curto prazo porque isso te gera problema a longo prazo", disse a jornalistas.

Para Barbosa, a intenção do governo é atingir a meta de 4,5% até 2015, o que considera factível. "O mercado está muito pessimista com uma inflação de 6%, mas depende muito se o câmbio vai se desvalorizar, se vai ter reajuste de combustíveis e qual será. Acho que 6% no ano que vem ainda é (um patamar) alto", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
dólarNelson Barbosa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.