DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Nelson Barbosa vai substituir Joaquim Levy no Ministério da Fazenda

Troca de comando representa uma nova linha na política econômica, que deve ter um tom mais desenvolvimentista; Valdir Simão, da CGU, será transferido para o Planejamento

Vera Rosa, Carla Araújo e Murilo Rodrigues Alves, O Estado de S.Paulo

18 de dezembro de 2015 | 17h10

Texto atualizado às 18h45

O economista Nelson Barbosa é o novo ministro da Fazenda. Barbosa era titular do Planejamento e assumirá o cargo no lugar de Joaquim Levy, que estava muito desgastado no governo. A troca de comando na Fazenda também representa uma nova linha na política econômica, que deve ter um tom mais desenvolvimentista. O atual ministro da Controladoria Geral da União (CGU), Valdir Simão, será transferido para o Planejamento. No lugar de Simão, assume interinamente Carlos Higino Ribeiro de Alencar.

A presidente Dilma Rousseff agradeceu, em nota, "a dedicação" de Levy e disse que ele "teve papel fundamental no enfrentamento da crise econômica". Dilma desejou "muito sucesso nos seus desafios futuros."

A saída de Levy já estava sendo cogitada há tempos, mas foi antecipada após declarações do ministro com críticas ao governo e que reforçavam sua vontade de deixar o cargo. "O ministro Levy já até se despediu no Conselho, ele que está antecipando essa substituição", afirmou uma fonte ligada a presidente hoje pela manhã. 

Em entrevista ao Broadcast, por diversas vezes Levy referiu-se ao "final do ano legislativo", como se isso marcasse o fim de sua missão no governo. E sobre a dificuldade de Dilma encontrar um nome para substituí-lo, foi sucinto. "Sempre se encontra um sucessor", disse. "Meu caminho é de paz interior. Estou tranquilo".

Solução caseira. Segundo interlocutores, Dilma procurou uma "solução caseira" e Barbosa foi escolhido pela proximidade com a presidente e pelo fato de que "ele já tem os números na cabeça" e conhece a situação atual. 

 

A decisão da presidente Dilma de dar o aval para que a meta fiscal de 2016 seja, na prática, zero significou uma derrota para Levy, que defendia a todo custo a manutenção da meta em 0,7% do PIB (R$ 43,8 bilhões). Prevaleceu justamente a posição de Barbosa, e da ala política do governo, que defendiam maior flexibilidade para administrar choques e preservar as obras prioritárias.

Levy e Barbosa tiveram vários embates no governo sobre tamanho da meta fiscal e déficit primário no Orçamento. O ministro da Fazenda chegou a reclamar com Dilma de que estava isolado no governo e por isso tinha dificuldades para aprovar as medidas do ajuste fiscal.   

 

Também haviam sido cotados os ministros Armando Monteiro (Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior), que seria "ponte necessária" com o empresariado. E Jaques Wagner (Casa Civil), que teria um perfil político com interlocução no Congresso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.