Nelson Piquet torna-se empresário de e-learning

Consagrado nas pistas de corrida, o tricampeão mundial de Fórmula 1 e empresário Nelson Piquet vai agora apostar no mercado de educação à distância. Com um investimento inicial de R$ 6 milhões, Piquet e os empresários Paulo Milet e Nelson Silveira lançaram nesta quinta-feira a Eschola.com, site na internet que vai oferecer cursos à distância nas áreas de logística e transporte, comércio exterior, saúde, meio-ambiente e segurança."Estou apostando todas as minhas cartas no negócio, porque esse é o futuro", afirmou o ex-piloto, que é dono de uma empresa especializada em monitoramento e rastreamento de caminhões de carga.A Eschola.com - que já atua há cinco anos no segmento de educação corporativa, oferecendo cursos pela rede de computadores para funcionários de empresas como Carrefour, Sul América Seguros e White Martins - teve sua sociedade reestruturada com a entrada de Piquet e passará a oferecer cursos temáticos pela internet para um público mais amplo. "O desafio será atingir todos aqueles que têm interesse em aprender", disse o empresário Paulo Milet.A partir de novembro, o site começará com a oferta de 12 cursos nas áreas escolhidas inicialmente, mas a meta é atingir ano que vem a marca de 60 cursos em diversas áreas. Os interessados deverão se inscrever por meio do site e, depois de pagarem a inscrição, receberão um endereço eletrônico e uma senha para acessar os conteúdos. Em média, os cursos terão duração de dois meses e as avaliações serão também on-line.Milet disse que há um programa de parcerias da empresa com instituições de ensino e professores que darão os cursos. "Não somos especialistas nos conteúdos, mas sim na tecnologia de acesso", completou.Os empresários apostam alto e esperam obter um faturamento de R$ 10 milhões em 2005. Segundo Milet, o Brasil tem hoje cerca de 20 milhões de internautas, o que representa cerca de 7% do total de pessoas que acessam a rede em todo o mundo. "Com a internet, elimina-se problemas de distância e falta de tempo, porque o aluno é que faz seus horários", afirmou Milet. Para o empresário, esse é um mercado promissor já que no Brasil há cerca de quatro milhões de empresas, sendo 7 mil delas com mais de 500 funcionários. Desse universo, a maior parte delas investem por ano cerca de 1% de seu faturamento no treinamento de pessoal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.