Nem dá para fazer festa: carga volta a subir este ano

Nem dá para fazer festa: carga volta a subir este ano

Não há motivo nem tempo para festejar a queda da carga tributária em 2009, já que ela volta a subir este ano. O recuo da carga de impostos, taxas e contribuições em relação ao Produto Interno Bruto (PIB) é explicado pelo impacto da crise financeira internacional na arrecadação e pelas desonerações e compensações tributárias concedidas provisoriamente pelo governo federal.

Cenário: Marcelo Rehder*, O Estado de S.Paulo

30 de março de 2010 | 00h00

Com a medida, que reduziu preços de produtos de diferentes setores, o governo estimulou o consumo no período de dificuldades financeiras. Passado o pior da crise, no entanto, a economia brasileira voltou a crescer com as próprias pernas e o governo manteve sem novas prorrogações o cronograma de retirada dos incentivos.

O Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) sobre os eletroeletrônicos da chamada linha branca (fogões e geladeiras), por exemplo, já retornou ao normal. No próximo dia 1.º de abril, será a vez dos automóveis voltarem a recolher a alíquota cheia do imposto.

Especialistas como o consultor tributário Amir Khair não têm dúvidas que o fim das desonerações e a volta do crescimento econômico deverão contribuir de forma decisiva para que a arrecadação seja recorde novamente. Quando a economia tem forte crescimento, como os 5,5% previstos para este ano, o lucro das empresas e a massa salarial normalmente crescem acima do PIB. Consequentemente, a arrecadação também cresce mais que a economia como um todo.

*REPÓRTER

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.