Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados
Zeca Ribeiro/Câmara dos Deputados

'Nem o PSL está convencido da reforma', diz líder do partido na Câmara

O líder do partido do presidente na Câmara dos Deputados, Delegado Waldir (PSL-GO), voltou a fazer críticas sobre a falta de articulação do governo

Camila Turtelli e Renato Onofre, O Estado de S.Paulo

25 de março de 2019 | 18h56

BRASÍLIA - O líder do PSL na Câmara, Delegado Waldir (PSL-GO), voltou a fazer críticas sobre a falta de articulação do governo nesta segunda-feira e colocou em dúvida a aprovação da reforma da Previdência pelo parlamento neste momento. Para ele, o projeto de lei que altera regras para a previdência dos militares causou muito descontentamento entre os parlamentares, inclusive do próprio PSL, ao agregar no texto a reestruturação da carreira. Para ele, talvez o governo tenha até menos do que os 55 votos (total de deputados do PSL)", disse.

"Nem o PSL está convencido da reforma. Isso eu já falei. Quando chegou a reforma da previdência, eu fui o primeiro a questionar que veio um abacaxi aqui e até agora a faca não chegou aqui não. Não vamos abrir esse abacaxi no dente. Amanhã, Paulo Guedes vai estar aqui e vamos ver se ele traz a faca ou o facão", disse.

Ele afirmou que o governo precisa ainda construir sua base e os líderes partidários continuam descontentes. "Existem pessoas específicas que precisam estar no seu papel, recebem por isso e parece que estão errando. Os resultados não estão chegando", disse ele sobre os interlocutores do governo sem citar nomes. "Eu espero que Rodrigo Maia e Bolsonaro soltem a fumacinha da paz e realmente passem a dialogar para que o Brasil avance com as reformas necessárias", disse. Waldir disse que Maia é "apaixonado pela reforma" e que deve trabalhar por sua aprovação. 

O líder do PSL espera que o presidente Jair Bolsonaro assuma uma defesa mais contundente da reforma. "O governo não quer assumir a paternidade da reforma", disse. Para ele, Bolsonaro precisa ser mais incisivo na defesa. "Esse filho não pode ficar sem pai, ele está passando fome neste momento e corre o risco de morrer", afirmou. Waldir fez críticas sobre declarações de Bolsonaro sobre "velha política" e chamou de "equívocos repetidos" postagens feitas nas redes sociais pela família do presidente. 

Sobre a relatoria da PEC da reforma na CCJ, Waldir disse que o presidente do colegiado, o deputado Felipe Francischini (PSL-PR) está ouvindo partidos e governo para escolher o relator. Segundo ele, não será necessário o aval do ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni. 

Waldir foi questionado sobre uma possível saída do ministro da Economia, Paulo Guedes, do governo. "Se qualquer ministro sair é grave. Se quebrar o posto Ipiranga, vai ter de apelar para Petrobras", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.