Divulgação
Divulgação

Maior lote de leilão de transmissão é vencido em lance com deságio de 57%

Proposta desbancou outros cinco proponentes, que apresentaram lances com deságio de até 48,27%

Luciana Collet e Dayanne Sousa, O Estado de S.Paulo

20 Dezembro 2018 | 10h15

A Neoenergia venceu a disputa pelo lote 1, o maior do leilão de transmissão que ocorreu na sede da B3, em São Paulo, ao oferecer uma Receita Anual Permitida (RAP) de R$ 194,1 milhões, para construir e operar o projeto. O montante corresponde a um deságio de 57,07% em relação à receita anual máxima estabelecida para o projeto, de R$ 452.369.159,00

A proposta desbancou outros cinco proponentes, que apresentaram lances com deságio de até 48,27%. A segunda melhor proposta havia sido do Consórcio Itajaí, formado por EDP e CTEEP.

Consumidores vão pagar R$ 17 bilhões em subsídios em 2019

O lote 1 é composto por seis linhas de transmissão, além de trechos menores de linhas, que somam 1.097 quilômetros de extensão, e cinco subestações, com capacidade de transformação de 6.504 MVA, entre Paraná e Santa Catarina. O investimento é estimado em R$ 2,791 bilhões. O prazo para a execução das obras é de 60 meses.

J&F vende linhas de energia à Taesa por R$ 942 milhões

De acordo com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o empreendimento tem como finalidade o atendimento elétrico ao Estado de Santa Catarina (regiões Norte e Vale do Itajaí). Além disso, será viabilizado o atendimento elétrico ao mercado local, nas regiões de Joinville, Jaraguá do Sul, Indaial e Itajaí.

A Neoenergia também levou o lote 2, ao ofertar um lance com deságio de 46,9% e também arrematou o terceiro empreendimento licitado nesta quinta-feira, com deságio de 44,9%. 

Já a Energisa venceu a disputa pelo lote 4. A companhia ofereceu Receita Anual Permitida (RAP) de R$ 62,854 milhões, para construir e operar o empreendimento, o que corresponde a um deságio de 45,84%.

Pelo lote 5, a CPFL Energia ofereceu Receita Anual Permitida (RAP) de R$ 26,38 milhões, para construir e operar a concessão. O montante corresponde a um deságio de 57,14%. 

O Consórcio EMTEP, formado pelas empresas Jaac Materiais e Serviços de Engenharia (80%) e EMTEP Serviços Técnicos de Petróleo (20%) conquistou o lote 6. O grupo ofereceu Receita Anual Permitida (RAP) de R$ 11,511 milhões para construir e operar a concessão, um deságio de 49%.

A Zopone Engenharia e Comércio conquistou o lote 7 do leilão por R$ 20,698 milhões, para construir e operar a concessão. O montante corresponde a um deságio de 53,49%.

O Consórcio I.G. Transmissão e ESS Energias, formado por I.G. Transmissão e Distribuição de Energia, com 90%, e ESS Energias Renováveis, com 10%, arrematou o lote 8 do leilão, por R$ 8,151 milhões para construir e operar a concessão. O montante corresponde a um deságio de 46,26% em relação à RAP máxima estabelecida para o empreendimento, de R$ 15.168.790,00.


 

Mais conteúdo sobre:
leilãoenergiaNeoenergia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.