Neozelandesa Fonterra candidata a ficar com Parmalat na AL

A companhia neozelandesa de laticínios Fonterra é uma das que está brigando pelas sobras daParmalat na América Latina e pode ser a que ficará com a maior parte dos negócios do grupo italiano. A informação estápublicada na última edição da revista América Economia, que está chegando às bancas. "Com passivo global que supera osUS$ 17 bilhões, a Parmalat está com os dias contados no Continente. Ninguém duvida de que a empresa italiana terá de vender suas filiais na região para cob rir parte da dívida", diz a reportagem da revista. A revista lembra que dias antes de pedir demissão do cargo, no início de fevereiro, o presidente da ParmalatBrasil, Ricardo Gonçalves, havia reconhecido publicamente que a sua companhia deveria liquidar parte ou todas as suasoperações p ara continuar funcionando. "Sempre que alguém vende, alguém compra", alerta a reportagem. A revista lembra também que, em meados de janeiro, o diretor executivo da Fonterra, o neozelandês Andrew Ferrier, haviainformado que a sua empresa estava interessada em expandir seus negócios na América do Sul por meio da aquisição de umconcorrente. Essa busca leva a uma empresa com marcas reconhecidas e produtos de valor agregado que permitam ir além dasvendas de insumos industriais e leite em pó, escreve a revista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.