Nervosismo cresce e dólar bate recordes

O nervosismo dos investidores no mercado financeiro aumentou no final desta manhã. O dólar comercial bateu novo recorde e chegou a ser negociado a R$ 2,7400 na ponta de venda dos negócios. Há pouco era vendido a R$ 2,7370, com alta de 1,67% em relação aos últimos negócios de ontem. A taxa de juros voltou a subir com força. Os contratos de juros de DI a termo - que indicam a taxa prefixada para títulos com período de um ano - pagam juros de 24,400% ao ano, frente a 23,650% ao ano ontem. A instabilidade também é muito forte no mercado acionário. A Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) opera com baixa de 4,32%. As ações da Embraer despencaram e lideraram o ranking de baixa do índice Ibovespa - índice que mede a valorização das ações mais negociadas na Bovespa - nesta manhã. Há pouco, o papel PN (preferencial, com direito a voto) caía 15,04%. Operadores comentam que a queda deve-se à piora de perspectiva para a venda de aviões e aos ataques terroristas a Nova York e Washington, nos EUA.

Agencia Estado,

13 de setembro de 2001 | 13h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.