Net: compra da BigTV pode chegar a R$ 290 milhões

O diretor financeiro e de Relações com Investidores da Net, João Elek, afirmou hoje, em teleconferência com analistas, que a aquisição da BigTV, anunciada hoje, poderá variar entre cinco e sete vezes o Ebitda (sigla em inglês para lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações) anualizado da empresa para 2007. Apesar de não revelar valores, o executivo confirmou o cálculo de um analista, de que o negócio deverá variar entre R$ 200 milhões e R$ 290 milhões.O diretor da Net ressaltou que o valor fechado do negócio vai depender do tempo que a Anatel levar para dar anuência. "Quanto mais demorar, mais perto do teto ele pode chegar", disse. O executivo informou ainda que a compra da Vivax levou sete meses para ser aprovada. "O tempo é muito importante para definir o valor", disse.O executivo afirmou ainda que o planejamento da empresa para 2008 de alcançar uma margem de Ebitda entre 26% e 28% está mantido, apesar da aquisição da BigTV.Segundo Elek, 80% da rede da BigTV é bidirecional, mas não é digitalizada. O executivo preferiu, no entanto, não revelar quanto investirá na empresa. "Temos que analisar a rede de perto para poder sinalizar qual será o (montante de investimento) capex", disse. O executivo garantiu ainda que a Net vai assumir a empresa livre de dívidas e ressaltou que a mesma registrou aumento da ordem de 105 na receita nos últimos anos.Elek citou a grande possibilidade de vender o serviço de telefonia para os clientes da BigTV. Segundo ele essa é uma boa oportunidade para elevar a receita da empresa, que conta hoje com 107 mil assinantes de TV por assinatura e 56 clientes de internet em alta velocidade (banda larga).A principal sinergia da operação, segundo o executivo, é a oportunidade de entrar em cidades onde a Net não trabalha atualmente. "Isso é mais importante do que a própria sinergia de rede", afirmou. O executivo afirmou ainda que Guarulhos é a principal região atendida pela BigTV.Segundo o diretor da Net, a expectativa da empresa é elevar sua participação de mercado no segmento de TV por assinatura para 48% com a aquisição, ante os 46% mantidos no terceiro trimestre de 2007. Para o segmento de banda larga a projeção é elevar a participação para 18%, ante os 17% atuais.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.