Akio Kon/Bloomberg
Akio Kon/Bloomberg

coluna

Carolina Bartunek: ESG, o que eu tenho a ver com isso?

Netflix vai financiar comunidades negras

Empresa vai destinar US$ 100 milhões a bancos de propriedade de empresários negros, que têm histórica dificuldade de acesso a capital

Lucas Shaw, WP Bloomberg

02 de julho de 2020 | 05h00

A Netflix vai transferir US$ 100 milhões para instituições que atendem comunidades negras, tornando-se a maior empresa a dividir receitas com bancos que historicamente tiveram dificuldade de acesso a capital. 

O serviço de streaming começará transferindo US$ 25 milhões para a Iniciativa de Desenvolvimento Econômico Negro, um novo fundo que investirá em instituições financeiras de propriedade de negros e que atendem comunidades de baixa renda, e US$ 10 milhões para a Hope Credit Union. No futuro, a empresa direcionará 2% dos recursos que têm em mãos – atualmente, cerca de US$ 5 bilhões –, para organizações financeiras que apoiam diretamente as comunidades afro-americanas.

Grandes companhias americanas correram para mostrar apoio aos afro-americanos após a morte de George Floyd, um dos vários negros mortos pela polícia nos últimos meses. Muitas empresas, milionários e bilionários prometeram dinheiro para causas de direitos civis, incluindo o presidente executivo da Netflix, Reed Hastings, que destinou US$ 120 milhões de sua fortuna pessoal para faculdades e universidades com histórica maioria de alunos negros. Mas a empresa queria propor uma solução para causas mais sistêmicas da desigualdade.

A Hope Credit Union atende a mais de 1,5 milhão de pessoas em Estados como Alabama e Louisiana, mas não tem dinheiro suficiente para apoiar totalmente as necessidades financeiras de suas comunidades, de acordo com seu presidente executivo, Bill Bynum. 

“Estamos com fome de capital, assim como as pessoas nas comunidades que servimos”, diz Bynum. “Ter uma voz global como a Netflix dizendo que é importante investir em instituições financeiras como a Hope é extremamente relevante, não apenas para o capital que usaremos para fazer empréstimos hipotecários e empréstimos para pequenas empresas, mas como ela se posiciona.”

O executivo da Netflix Aaron Mitchell teve a ideia de transferir dinheiro para bancos de propriedade de negros após um jantar em abril com líderes de diferentes grupos sub-representados. A Netflix realiza esses encontros desde outubro, em um esforço para melhorar a diversidade em seus níveis mais altos e informar seus principais executivos.

Mitchell apresentou a ideia ao diretor financeiro Spencer Neumann e começou a conduzir pesquisas, chegando aos bancos e lendo The Color of Money (A Cor do Dinheiro), livro de Mehrsa Baradaran sobre a diferença de riqueza racial. Após a morte de Floyd, ele enviou sua proposta a Hastings, que acelerou o projeto.

“Conversei com muitas empresas, mas esta é a primeira que realmente fez algo a respeito”, afirma Baradaran. A Netflix espera que a medida inspire outras grandes empresas americanas a fazer o mesmo, disse Neumann. 

O serviço de streaming tem uma pequena pilha de dinheiro em relação aos colegas do Vale do Silício, Apple, Facebook e Alphabet (dono do Google). Se todas as empresas do S&P 500 transferissem apenas 1% de seu dinheiro para instituições financeiras de propriedade de negros, isso se traduziria em mais de US$ 20 bilhões, afirmou a Netflix.

A empresa tem muito trabalho a fazer por conta própria. Na Netflix, não há negros entre seus oito principais executivos. A empresa contratou seu primeiro membro do conselho negro em 2018. Além disso, ficou no fim da fila dos estúdios de Hollywood em termos de contratação de mulheres em 2019, segundo o Directors Guild of America (DGA).

Mas o DGA classificou a empresa em primeiro lugar na abordagem do tema. Isso é parte do progresso da Netflix desde a contratação de Verna Myers como chefe de diversidade e inclusão em 2018. Ela liderou novos programas como o Strong Black Lead, que destaca projetos com afro-americanos em papéis principais. 

Os funcionários negros agora representam 7% do total de funcionários da Netflix, ante 4% há três anos. O número de vice-presidentes negros triplicou para nove no mesmo período. “Estamos nessa jornada há pelo menos três anos”, afirma Mitchell. “Ainda temos muito trabalho a fazer, mas estamos fazendo progressos significativos.”

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.