Nevasca na China provoca perdas na produção de alumínio

As pesadas nevascas que estão atingindo as regiões Central e o Sudoeste da China levaram várias fábricas processadoras de alumínio a interromperem a produção nos últimos dias. Segundo analistas, as nevascas provocam interrupções no fornecimento de energia para as processadoras e os problemas podem resultar em uma perda de 200 mil toneladas na produção de alumínio do país, caso a capacidade atual produtiva de 1 milhão de toneladas das regiões atingidas permaneça fechada até o início de março, como temem alguns analistas.O contrato de três meses do alumínio era negociado a US$ 2.537 por tonelada, com alta de US$ 25 sobre a última rodada de negócios na Bolsa de Metais de Londres (LME)."Pelo menos 10 unidades das províncias de Guizhou, Yunnan, Hubei, Hunan e Shanxi estão totalmente ou parcialmente afetadas", afirmou o analista Wan Ling, da consultoria de metais CRU, com sede em Pequim. "Não acredito que a produção vai ser retomada totalmente antes do final de fevereiro e do início de março", disse o analista de commodity do Macquarie Bank, Bonnie Liu. Zhu Yan, uma analista da Antaike, uma empresa controlada pelo governo e que faz pesquisa sobre metais, também reforça essa avaliação, prevendo que a situação na China deve continuar dando impulso aos preços do alumínio. A falta de energia também afetou a Zhuzhou Smelter, maior fundidora de zinco em termos de volume de produção do país. Executivos da empresa afirmaram que se as condições climáticas adversas persistirem, a produção pode ser totalmente interrompida. A empresa tem uma capacidade produtiva total de 500 mil toneladas. Analistas projetam que haverá uma perda de 150 mil toneladas de zinco por causa das interrupções das fundidoras chinesas.A interrupção das atividades das fundidoras chinesas está pressionando negativamente os preços da alumina, matéria-prima na fabricação do alumínio. Uma produtora privada de alumina reduziu o preço à vista do metal de 4.500 yuans para 4.000 yuans e outras empresas devem seguir a mesma estratégia.As nevascas que atingem algumas áreas da China são as piores em mais de uma década e levaram ao caos no sistema de transporte do país e a diversos apagões de energia. Para garantir o fornecimento para algumas áreas residenciais, os governos locais estão reduzindo a oferta para grandes consumidores de energia, como as fundidoras de alumínio e zinco. As informações são da Dow Jones.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.