Reuters
Reuters

coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

‘New York Times’ investe em novos produtos no mercado digital

Jornal americano anunciou que pretende investir em internet, comércio eletrônicos e jogos

Reuters,

25 de abril de 2013 | 17h31

NOVA YORK - O New York Times informou que vai investir na expansão de produtos digitais. A empresa planeja apresentar uma linha de produtos de baixo preço, incluindo a expansão na área de comércio eletrônico e jogos para atrair mais leitores não só dos Estados Unidos, mas em qualquer parte do mundo.

"Queremos aprofundar a nossa relação com os clientes leais atuais, mas também queremos utilizar uma família de produtos do 'New York Times' mais ampla para chegar a novos clientes, tanto aqui como no resto do mundo", disse em um comunicado o presidente executivo do jornal, Mark Thompson.

As assinaturas pagas para produtos digitais do New York Times e também para o Boston Globe, da mesma empresa, totalizaram 708 mil no primeiro trimestre, com um crescimento de 45% em relação ao ano passado.

Ainda assim, o aumento das assinaturas se desacelerou em comparação com o trimestre anterior. As assinaturas digitais pacas cresceram 6% no primeiro trimestre em relação ao quarto trimestre do ano passado.

Parte da nova estratégia que será apresentada nos próximos meses inclui um acesso mais barato às "histórias mais importantes e interessantes" do New York Times. O jornal faz um esforço para compensar a perda de receita publicitária. No primeiro trimestre, a companhia faturou menos em comparação com o ano passado.

A queda de 11,2% no faturamento com publicidade aumenta a pressão  que o jornal americano enfrenta para ampliar as vendas de assinaturas, em especial dos produtos digitais, e também encontrar novas fontes de receita.

O faturamento da empresa caiu 2%, para US$ 465,9 milhões, abaixo da média esperada por analistas (US$ 470 milhões), segundo a Thomson Reuters.

As ações do New York Times oscilaram com força nesta quinta-feira, ganhando até 5% antes de cair com a notícia de que a companhia não planeja restaurar dividendos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.